Nível de Alfabetização Financeira de Empreendedores Incubados

Vanessa Isabel de Marco Canton, Rodrigo Barichello

Resumo


Estudos anteriores indicam que baixos níveis de conhecimento em gestão empresarial e, em especial, de aspectos financeiros, consiste em um dos motivos de insucesso de empreendimentos e empreendedores. O presente estudo objetivou identificar o nível alfabetização financeira de empreendedores com negócios incubados. A pesquisa é descritiva, com abordagem quantitativa, coleta de dados por meio de questionários e análise de dados mediante técnicas estatísticas de análise multivariada. Dos achados, depreende-se que os empreendedores são na maioria jovens, de 19 a 29 anos, do sexo masculino e mais de 45% dos empreendimentos pertencem ao segmento de prestação de serviços. Com relação à alfabetização financeira, o índice da amostra para os três construtos (atitude financeira, comportamento financeiro e conhecimento financeiro) foi de 0,74877. O grupo que pertence ao cluster com baixa alfabetização é composto por 20% da amostra e obteve índice médio de alfabetização de 0,55179. O cluster com alta alfabetização é composto por 80% da amostra, com média de 0,80060. Mais de 66% da amostra admite ter buscado a incubadora para receber apoio de profissionais especializados, apresentando índice de 0,72081, corroborando estudos correlatos. Os resultados mostram que o nível de alfabetização dos empreendedores é levemente alto, revelando aumento ao longo da incubação. Constatou-se que o propósito de consolidar importantes habilidades gerenciais para os empreendedores está sendo atingido pela incubadora, entretanto, permanece o desafio da criação estratégias para potencializar a atividade empreendedora de incubados, mediante desenvolvimento de competências na área de finanças pessoais e gerenciais.


Palavras-chave


Educação; Alfabetização; Finanças; Empreendedor; Incubadora

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Anunciação, L., Silva, S. R., Santos, F. A., & Landeira-Fernandez, J. (2018). Redução da escala tendência empreendedora geral (TEG-FIT) a partir do coeficiente de validade de conteúdo (CVC) e teoria da resposta ao item (TRI). Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 17(2), 192-207.

Atkinson, A., & Messy, F. (2011) Assessing financial literacy in 12 countries: an OECD/INFE international pilot exercise. Journal of Pension Economics and Finance, 10(4), 657-665.

Baêta, A. M. C., Borges, C. V., & Tremblay, D. G. (2006). Empreendedorismo nas incubadoras: reflexões sobre tendências atuais. Comportamento Organizacional e Gestão, 12(1), 7-18.

Baum, J. R., Locke, E. A. E, & Smith, K. G. (2001). A multidimensional model of venture growth. Academy of Management Journal, 44(2), 292-303.

Benartzi, S., & Thaler, R. H. (2013). Behavioral economics and the retirement savings crisis. Science, 339(6124), 1152-1153.

Chell, E. (2008). The entrepreneurial personality: a social construction. The Psychology Press/Routledge, Londres.

Clarysse, B., Wright, M., Lockett, A., Velde, E., & Vohora, A. (2005). Spinning out new ventures: a typology of incubation strategies from European research institutions. Journal of Business Venturing, 20(2), 183-216.

Davila, A., & Foster, G. (2007) Management control systems in early-stage startup companies. The Accounting Review, 82(4), 907-937.

Delavande, A., Rohwedder, S., & Willis, R. J. (2008). Preparation for retirement, financial literacy and cognitive resources. Michigan Retirement Research Center. (Working paper 2008-190).

Disney, R., & Gathergood, J. (2011). Financial literacy and indebtedness: new evidence for UK consumers. EconPaper. Discussion Papers, University of Nottingham (CFCM).

Dolabela, F. (2008) O segredo de Luísa. Rio de Janeiro: Sextante.

Dornelas, J. C. A. (2018). Transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier.

Endeavor (2014). Índice de cidades empreendedoras. São Paulo: Endeavor Brasil.

Engelman, R., & Fracasso, E. M. (2013). Contribuição das incubadoras tecnológicas na internacionalização das empresas incubadas. Revista de Administração, 48(1), 165-178.

Farah, O. E., Cavalcanti, M., & Passos, L. M. (2012). Empreendedorismo: estratégia de sobrevivência para pequenas empresas. São Paulo: Saraiva.

Filion, L. J. (1999). Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração, 34(2), 06-28.

Freitas, A. C., Ferreira, L. M., & Silva, M. D. S. R. (2016). A importância das incubadoras de empresas para o desenvolvimento econômico sustentável e redução das disparidades inter-regionais: o caso da incubadora de empresas do IFCE. Conexões-Ciência e Tecnologia, 10(3), 07-19.

Gomes, M. D., & Marcondes, R. C. (2016). O desenvolvimento de micro e pequenas empresas: o caso da Incubadora Tecnológica de Guarulhos. Revista de Gestão, 23(3), 264-273.

Hair Júnior, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., & Anderson, R. E. (2010). Multivariate data analysis. New Jersey: Pearson.

Hannon, P. D. (2003). A conceptual development framework for management and leadership learning in the UK incubator sector. Education + Training, 45(8/9), 449-460.

Huston, S. J. (2010) Measuring financial literacy. The Journal of Consumer Affairs, 44(2), 296-316.

Instituto Empresarial de Incubação e Inovação Tecnológica. Notícias. (2019, May 16). Retrieved from http://www.ieitec.com.br/news/171-incubadorasgeram-mais-de-53-mil-empregos

Lavieri, C. (2010) Educação empreendedora? In: Lopes, R. M. Educação empreendedora. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus, 1, 01-16.

Lopes, R. M. (2010). Referenciais para a educação empreendedora. In R. M. Lopes, Educação empreendedora. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus, 2, 17-44.

Lusardi, A., & Mitchell, O. S. (2014). The economic importance of financial literacy: theory and evidence. Journal of Economic Literature, 52(1), 05-44.

Machado, E., Selig, P. M., Follmann, N., & Casarotto Filho, N. (2016). Análise da influência do capital estrutural no sucesso de startups incubadas: uma pesquisa com 21 empreendedores. International Journal of Innovation, 4(1), 46-57.

McClelland, D. C. (1972). A sociedade competitiva: realização e progresso social. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura.

Organisation for Economic Cooperation and Development. (2011). Measuring financial literacy: core questionnaire in measuring financial literacy, questionnaire and guidance notes for conducting an internationally comparable survey of financial literacy. OECD Centre, Paris.

Organisation for Economic Cooperation and Development. (2013a). Financial literacy and inclusion: results of OECD/INFE survey across countries and by gender. OECD Centre, Paris.

Organisation for Economic Cooperation and Development. (2013b). PISA (2012). Assessment and analytical framework: mathematics, reading, science, problem solving and financial literacy. Paris, OECD Centre.

Perren, L., & Grant, P. (2000). The evolution of management accounting routines in small businesses: a social construction perspective. Management Accounting Research, 11(1), 391-411.

Phan, P., Siegel, D. S., & Wright, M. (2016). Science parks and incubators: observations, synthesis and future research. In: Technology entrepreneurship and business incubation: theory practice lessons learned, 249-272.

Potrich, A. C. G., Vieira, K. M., & Kirch, G. (2016). Você é alfabetizado financeiramente? Descubra no termômetro de alfabetização financeira. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 13(2), 153-170.

Pradhan, R. K., & Nath, P. (2012). Perception of entrepreneurial orientation and emotional intelligence: a study on India’s future techno-managers. Global Business Review, 13(1), 89-108.

Ramachandran, K., & Ray, S. (2006). Networking and resource strategies in new ventures: a study of information technology startups. Journal of Entrepreneurship, 15, 145-168.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2009). Programas oferecidos pelas incubadoras brasileiras às empresas incubadas. Revista de Administração e Inovação, 6(1), 83-107.

Robb, C. A., Babiarz, P., & Woodyard, A. (2012). The demand for financial professionals’ advice: the role of financial knowledge, satisfaction, and confidence. Financial Services Review, 21(4), 291-305.

Santos, S. C., Caetano, A., & Curral, L. (2010). Atitude dos estudantes universitários face ao empreendedorismo: como identificar o potencial empreendedor?. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 9(4), 2-14.

Santos, V., Beuren, I. M., & Conte, A. (2018). Uso de instrumentos do sistema de controle gerencial em empresas incubadas. Contabilidade Vista e Revista, 28(3), 103-132.

Schmeiser, M. D., & Seligman, J. S. (2013). Using the right yardstick: assessing financial literacy measures by way of financial wellbeing. Journal of Consumer Affairs, 47(2), 243-262.

Schumpeter, J. A. (1949). Science and ideology. The American Economic Review, 39(2), 346-359.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2016). Sobrevivência das empresas no Brasil. (2018, August 16). Retrieved from http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/sobrevivencia-das-empresas-no-brasil-relatorio-2016.pdf

Silva, G. O., Silva, A. C. M., Vieira, P. R. C, Neves, M. B. E., &

Desiderati, M. C. (2017). Alfabetização financeira versus educação financeira: um estudo do comportamento de variáveis socioeconômicas e demográficas. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(3), 279-298.

Souza, G., Santos, P. D., Lima, N. C., Cruz, N., & Lezana, A. (2016). Entrepreneurial potential and success in business: a study on elements of convergence and explanation. Revista de Administração Mackenzie, 17(5), 188-215.

Souza, J. H., Sousa, J. E. R., & Bonilha, I. D. (2008). Avaliação do processo de incubação no Estado de São Paulo. Revista da Micro e Pequena Empresa, 2(2), 21-39.

Storopoli, J. E., Binder, M. P., & Maccari, E. A. (2013). Incubadoras de empresas e o desenvolvimento de capacidades em empresas incubadas. Revista de ciências da Administração, 15(35), 36-51.

Vedovello, C., & Figueiredo, P. N. (2005). Incubadora de inovação: que nova espécie é essa. RAE-eletrônica, 4(1), 01-19.

Xu, L. (2010). Business incubation in China: effectiveness and perceived contributions to tenant enterprises. Management Research Review, 33(1), 90-99.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2019.v9i1.3250

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.