O Endividamento e os seus Consequentes nas Capitais Brasileiras de 2010 a 2017

Vanessa Piovesan Rossato, Rhuan Pivetta Beskow, Nelson Guilherme Machado Pinto

Resumo


O objetivo do trabalho é verificar o impacto do endividamento nos níveis de inadimplência e sobre-endividamento das famílias brasileiras de 2010 a 2017, por meio de uma amostra pesquisada nas populações das capitais brasileiras e no Distrito Federal. Decorre-se que em razão da ampliação das formas de pagamento conjuntamente com os prazos expandidos para quitação das contas, o uso do cartão de crédito torna-se um facilitador para a existência de endividamento, posto que muitas vezes as pessoas agem irracionalmente e sofrem vieses, conforme postulados das finanças comportamentais. O trabalho justifica-se devido à importância do tema endividamento, uma vez que sua repercussão suscita preocupação social. Ademais, o estudo traz um caráter inovador, pois correlaciona o impacto do endividamento na inadimplência e no sobre-endividamento. Dessa forma, realizou-se uma regressão a partir dos dados secundários obtidos da Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC). Os resultados demonstraram que a maior causa das dívidas das famílias analisadas decorre-se pelo cartão de crédito, seguido pelos carnês. Também, diagnosticou-se que existe uma relação positiva entre endividamento e inadimplência e que maiores valores de inadimplência provocam maiores valores de sobre-endividamento dentro das capitais brasileiras.


Palavras-chave


Finanças Comportamentais; Endividamento; Inadimplência; Sobre-endividamento; Cartão de crédito

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Aguiar, E. S., Araújo, L. M. G., Carmo, T. S., Prazeres, R. V. D., & Soeiro, T. M. (2016). A influência de gênero, idade, formação e experiência nas decisões de investimentos: uma análise do efeito confiança. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 4(3), 44-55.

Andrade, S. F. C., Riul, P. H., Oliveira, M. S., & Cavalcanti, M. F. (2008). A inadimplência nas instituições particulares de ensino na cidade de Franca. FACEF Pesquisa, 11(1), 45-58.

Ávila, L. A. C., Oliveira, A. S., Avila, J. R. M. S., & Malaquias, R. F. (2016). Behavioral biases in investors’ decision: studies review from 2006-2015. Revista de Gestão, Finanças & Contabilidade, 6(2), 112-131.

Brusky, B., & Magalhães, R. S. (2006). Assessing indebtedness: results from pilot survey among steelworkers in São Paulo. Working Paper, International Labour Office Geneva. Geneva, 46.

Campara, J. P., Vieira, K. M., & Ceretta, P. S. (2016). Entendendo a atitude ao endividamento: fatores comportamentais e variáveis socioeconômicas o determinam?. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 15(1), 05-24.

Carvalho, H. A., Sousa, F. G. P., & Fuentes, V. L. P. (2017). Representação social do endividamento individual. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(1), 100-115.

Daros, M., & Pinto, N. G. M (2017). Inadimplência no Brasil: uma análise das evidências empíricas. Revista de Administração IMED, 7(1), 208-229.

Faveri, D. B., & Knupp, P. S. (2018). Finanças comportamentais: relação entre traços de personalidade e vieses comportamentais. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 15(1), 18-30.

Figueira, R. F., & Pereira, R. C. F. (2014). Devo, não nego, pago quando puder: uma análise dos antecedentes do endividamento do consumidor. Revista Brasileira de Marketing, 13(5), 124-138.

Fiori, D. D., Mafra, R. Z., Fernandes, T. A., Barbosa Filho, J., & Nascimento, L. R. C. (2017). O efeito da educação financeira sobre a relação entre adimplência e trabalhadores na cidade de Manaus. Sinergia, 21(2), 31-45.

França, A. L. C., Milken, M. A., Teruel, R. L. H., Fagundes, A. F. A., & Peixoto, F. M. (2017). Análise da heurística da ancoragem na precificação de automóveis seminovos em Uberlândia-MG. Revista de Administração da Unimep, 15(2), 106-129.

Greene, W. H. (2008). Econometric analysis. New Jersey: Prentice Hall.

Guimarães, I. A., & Chaves Neto, A. (2002). Reconhecimento de padrões: metodologias estatísticas em crédito ao consumidor. RAE-eletrônica, 1(2), 2002.

Ivo, G. A., Cruz, D. B. F., Chinelato, F. B., & Ziviani, F. (2016). A expansão do crédito no Brasil: uma ferramenta para o desenvolvimento socioeconômico. Gestão & Regionalidade, 32(95), 160-174.

Keese, M., & Schmitz, H. (2010). Broke, ill and obese: the effect of household debt on health. Ruhr Economic Papers, 234, 03-28.

Kimura, H., Basso, L. F. C., & Krauter, E. (2006). Paradoxos em finanças: teoria moderna versus finanças comportamentais. Revista de Administração de Empresas, 46(1), 41-58.

Kunkel, F. R., Vieira, K. M., Potrich, A. C. G., Campara, J. P., & Paraboni, A. L. (2016). Como os gaúchos utilizam o cartão de crédito? Análise do comportamento de uso e da dívida no cartão de crédito. Desenvolvimento em Questão, 14(35), 377-399.

Lie, C., Hunt, M., Peters, H. L., Veliu, B., & Harper, D. (2010). The ‘negative’ credit card effect: credit cards as spending-limiting stimuli in New Zealand. The Psychological Record, 60(3), 339-412.

Lucena, W. G. L., Santos, J. M. A., Assis, J. T., & Santos, M. C. (2014). Fatores que influenciam o endividamento e a inadimplência no setor imobiliário da cidade de Toritama-PE à luz das finanças comportamentais. Holos, 6, 90-113.

Marques, M. M. L., & Frade, C. (2003). Regular o sobreendividamento. Gabinete de Política Legislativa e Planejamento do Ministério da Justiça, Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas. Coimbra.

Matos, C. A., Bonfanti, K., & Mette, F. M. B. (2014). Comportamento do consumidor endividado: um estudo exploratório com indivíduos de baixa renda. Gestão & Sociedade, 8(20), 670-687.

Mello, L. F., & Sathler, D. (2015). A demografia ambiental e a emergência dos estudos sobre população e consumo. Revista Brasileira de Estudos de População, 32(2), 357-380.

Mendonça, M. J., Moreira, T. B., & Sachsida, A. (2017). Uma avaliação da demanda creditícia para automóveis no Brasil no período de 2000 a 2012. Economia e Sociedade, 26(2), 427-457.

Messias, J. F., Silva, J. U., & Silva, P. H. C. (2015). Marketing, crédito & consumismo: impactos sobre o endividamento precoce dos jovens brasileiros. Revista Eniac Pesquisa, 4(1), 43-59.

Minella, J. M., Bertosso, H., Pauli, J., & Corte, V. F. D. (2017). A influência do materialismo, educação financeira e valor atribuído ao dinheiro na propensão ao endividamento de jovens. Revista Gestão & Planejamento, 18(1), 182-201.

Mosca, A. (2009). Finanças comportamentais: gerencie suas emoções e alcance sucesso nos investimentos. Rio de Janeiro: Elsevier.

Oliveira, T. M., Ikeda, A. A., & Santos, R. C. (2004). Compra compulsiva e a influência do cartão de crédito. Revista de Administração de Empresas, 44(3), 89-99.

Ponchio, M. C., & Aranha, F. (2008). Materialism as a predictor variable of low income consumer behavior when entering into installment plan agreements. Journal of Consumer Behaviour, 7(1), 21-34.

Rampazzo, L. (2002) Metodologia científica: para alunos dos cursos de graduação e pós-graduação. São Paulo: Loyola.

Reis, C. V. S., Matsumoto, A. S., & Barreto, R. A. (2013). A propensão ao endividamento pessoal no Distrito Federal. Revista de Economia e Administração, 12(4), 415-427.

Shefrin, H. (2010). Behavioralizing finance. Hanover: Now Pub.

Shleifer, A. (2000). Inefficient markets: an introduction to behavioral finance. New York: Oxford University Press Inc.

Silva, L. F., Vieira, V. A., & Silva F. V. (2012). Fatores determinantes do endividamento e da inadimplência associados à propensão de falência da pessoa física. Análise, 23(3), 207-221.

Silva, S. B. da C. N. (2008). Alfabetização econômica, hábito de consumo e atitudes em direção ao endividamento de estudantes do curso de Pedagogia. (Tese de doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Slomp, J. Z. F. (2008). Endividamento e consumo. Revista Relações de

Consumo, 108, 109-131.

Tversky, A., & Kahneman, D. (1974). A judgment under uncertainty: heuristics and biases. Science, 185 (4157), 1124-1131.

Vieira, K. M., Flores, S. A. M., Kunkel, F. R., Campara, J. P., & Paraboni, A. L. (2014). Níveis de materialismo e endividamento: uma análise de fatores socioeconômicos na mesorregião central do estado no Rio Grande Do Sul. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 5(2), 01-20.

Vieira, K. M., Kunkel, F. R., & Paraboni, A. L. (2015). Propensão à dívida no cartão de crédito: quais são os aspectos determinantes?. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(3), 102-120.

Yoshinaga, C. E., & Ramalho, T. B. (2014). Finanças comportamentais no Brasil: uma aplicação da teoria da perspectiva em potenciais investidores. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 16(53), 594-615.

Zerrenner, S. A. (2007). Estudo sobre as razões para o endividamento da população de baixa renda. (Tese de doutorado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2019.v9i1.3098

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.