Organização: Em Busca de uma Definição e sua Funcionalidade

David Curtinaz Menezes

Resumo


Este estudo constitui-se em um ensaio teórico que objetiva analisar o significado da organização e a sua funcionalidade segundo teorias organizacionais. Para tanto, foram analisados artigos clássicos sobre tais teorias, os quais constam em planos de ensino da disciplina Teorias Organizacionais ministrada em cursos de Administração no Brasil. A partir de uma perspectiva multiteórica, sugere-se uma agenda de pesquisa que defenda o uso dessa perspectiva na análise do fenômeno organizacional.


Palavras-chave


Funções da Organização; Teorias Organizacionais

Texto completo:

PDF

Referências


Anese, V., Costa, C., & Rosseto, C. R. (2018). As dimensões da capacidade de gestão de stakeholders em instituições sem fins lucrativos: um ensaio teórico. Revista de Administração IMED, 8(2), 3-22.

Barnard, C. I. (1979). As funções do executivo. São Paulo: Atlas.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Barney, J., & Hesterly, W. (1997). Organizational economics: understanding the relationship between organizations and economic analysis. In Clegg, S. R., Hardy, C., Nord, W. R. (Eds.). Handbook of Organization Studies. London. Sage Publications.

Burns, T., & Stalker, G. M. (1961). The management of innovations. London: Tavistock.

Carvalho, C. A. P., Vieira, M. M. F., & Lopes, F. D. (1999). Contribuições da perspectiva institucional para análise das organizações. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro, p. 1-15.

Campbell, J. L. (2004). Institutional change and globalization. Princeton: Princeton University Press.

DiMaggio, P. J., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: Institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48(2), 147-160.

Donaldson, L. (2006). Teoria da contingência estrutural. In: Clegg, S., Hardy, C., & Nord, W. (Orgs.). Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas.

Eisenhardt, K.M. (1989). Agency theory: an assessment and review. Academy of Management Review, 14(1), 57-74.

Fagundes, J. A., Petri, M., Lavarda, R. B, Rodrigues, M. R., Lavarda, C. E. F., & Soller, C. C. (2010). Estrutura organizacional e gestão sob a ótica da teoria da contingência. Gestão & Regionalidade, 26(8), 52-63.

Greenwood, R., Oliver, C., Sahlin, K., & Suddaby, R. (2008). The Sage handbook of organizational institutionalism. Thousand Oaks: Sage.

Heracleous, L., & Lan, L. L. (2012). Agency theory, institutional sensitivity, and inductive reasoning: towards a legal perspective. Journal of Management Studies, 49(1), 223-239.

Hillman, A. J., Withers, M. C., & Collins, B. J. (2009). Resource dependence theory: a review. Journal of Management, 35(6), 1404-1427.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

Leiblein, M. J. (2011). What do resource-and capability-based theories propose? Journal of Management, 37(4), 909-932.

Meneghetti, F. K. (2011). O que é um ensaio teórico? Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 320-332.

North, D. (1991). Institutions. Journal of Economic Perspectives, 5(1), 97-112.

Oliver, C. (1991). Strategic responses to institutional processes. Academy of Management Review, 16(1), 145-179.

Peci, A. (2006). A nova teoria institucional em estudos organizacionais: uma abordagem crítica. Cadernos Ebape, 4(1), 1-12.

Pfeffer, J., & Salancik, G.R. (2003) The external control of organizations. Stanford: Stanford University Press.

Pivetta, N. P., Campos, S. A. P., & Scherer, F. L. (2018). A Influência do modelo weberiano de burocracia na escola clássica, escola de relações humanas e abordagem comportamental. Revista de Administração IMED, 8(2), 90-117.

Prim, C. H., Stadnick, K. T., Cunha, C. J. C. A, & Coelho, C. C. S.R (2008). A teoria das organizações e a evolução do pensamento científico. Anais do Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 1-16.

Selznick, P. (1948). Foundations of the theory of organization. American Sociological Association, 13(1), 25-35.

Williamson, O. E. (1979). Transaction cost economics: the governance of contractual relations. The Journal of Law and Economics, 22(2), 233-261.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2019.v9i2.3097

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.