Influências do Tempo de Atuação na Área Contábil, Escolaridade dos Pais e da Faixa Salarial na Presença de Heurística em Decisões Orçamentárias

André Sekunda Gallina, Júlio Cézar Ferreira, Leandro Augusto Toigo, Delci Grapégia Dal Vesco

Resumo


O presente estudo tem por objetivo verificar qual o grau de correlação entre as variáveis: tempo de atuação na área contábil, escolaridade dos pais e faixa salarial com a presença (ou não) de heurísticas nas decisões ligadas ao orçamento. Estudos anteriores evidenciam que é recorrente a tomada de decisões relacionadas ao orçamento empresarial com apoio de heurísticas, que, de modo sucinto, seriam atalhos mentais utilizados pelos tomadores de decisões, para facilitar ou encurtar o processo de tomada da decisão, porém, que muitas vezes, dada a ausência de critérios técnicos e científicos, pode conduzir a uma decisão equivocada, causando prejuízos à organização. Assim, para identificar se as variáveis de interesse da pesquisa contribuem para explicar a ocorrência de heurísticas ligadas ao orçamento, é que se elaborou o presente estudo. A coleta de dados se deu mediante a utilização de questionário eletrônico, distribuído a estudantes de pós-graduação de instituições públicas e privadas de Foz do Iguaçu, Cascavel, e demais cidades da região. Após a realização dos testes estatísticos propostos pelo estudo, verificou-se que de fato há presença de heurísticas nas decisões orçamentárias tomadas pela amostra, porém, não se logrou êxito em confirmar as hipóteses de trabalho formuladas para o estudo, visto que não há correlação entre as variáveis definidas pelos autores e a presença de heurísticas nas decisões orçamentárias, resultado esse que se coaduna com pesquisas anteriores ligadas ao tema, sugerindo que o tema ainda é incipiente na literatura, carecendo de maiores e mais aprofundados estudos para sua adequada compreensão.


Palavras-chave


Orçamento empresarial; Heurística; Contabilidade.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Aguiar, da Silva. E., Araújo, L. M. G., do Carmo, T. S., Prazeres, R. V., & de Moura Soeiro, T. (2016). A Influência de Gênero, Idade, Formação e Experiência nas Decisões de Investimentos: Uma Análise do Efeito Confiança. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 4(3), 44-55.

Andrade, M. M. (2002). Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções e práticas. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Barros, R., Foguel, M., & Ulyssea, G. (2006). Desigualdade de Renda no Brasil: Uma Análise da Queda Recente. IPEA, Rio de Janeiro.

Bingham, C. B., & Eisenhardt, K. M. (2011). Rational heuristics: the ‘simple rules’ that strategists learn from process experience. Strategic Management Journal, 32(13), 1437-1464.

Buss, D. M. (1995). Evolutionary psychology: A new paradigm for psychological science. Psychological Inquiry, 6, 1-30.

Castanheira, D. R. F. (2008). O uso do orçamento empresarial com ferramenta de apoio à tomada de decisão e ao controle gerencial em indústrias farmacêuticas de médio porte. 2008. 103 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

Dancey, C., & Reidy, J. (2006). Estatística Sem Matemática para Psicologia: Usando SPSS para Windows. Porto Alegre, Artmed.

Dearing, E. (2004). The developmental implications of restrictive and supportive parenting across neighborhoods and ethnicities: Exceptions are the rule. Journal of Applied Developmental

Dorow, A. et al. (2010). A heurística da ancoragem e a tomada de decisão sob risco em investimentos imobiliários. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(3).

Elliott, W. B., Hodge, F. D., Kennedy, J. J., & Pronk, M. (2007). Are MBA students a good proxy for nonprofessional investors?. The Accounting Review, 82(1), 139-168.

Frangiotti, A. T. (2011). Elaboração do orçamento empresarial com base na geração de valor (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Frezatti, F. (2009). Orçamento empresarial. 5 ed. São Paulo: Atlas.

Goldstein, DG, & Gigerenzer, G. (2002). Modelos de racionalidade ecológica: o reconhecimento heurístico. Psychological Review, 109(1), 75-90.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (1998). Multivariate data analysis . Uppersaddle River. Multivariate Data Analysis (5th ed) Upper Saddle River.

Hansen, S. C., Otley, D. T., & Van der Stede, W. A. (2003). Practice developments in budgeting: an overview and research perspective. Journal of management accounting research, 15(1), 95-116.

Horngren, C. T., Foster, G., & Datar, S. M. (2000). Contabilidade de custos. Trad. José Luiz Pavarato. 9. ed. Rio de Janeiro: LTC, 717 p.

Horngren, C. T., Sundem, G. L., & Stratton, W. O. (2004). Contabilidade gerencial. São Paulo: Prentice Hall.

Job, R. F. (1990). The application of learning theory to driving confidence: the effect of age and the impact of random breath testing. Accident Analysis and Prevention, 22(2), 97-107.

Kahneman, D., & Riepe, M. W. (1998). Aspects of investor psychology. The Journal of Portfolio Management, 24(4), 52-65.

Kahneman, D. & Tversky, A. (1979). Prospect theory: An analysis of decision under risk. Econometrica: Journal of the econometric society, 263-291.

Kahneman, D. (2003). Mapas de racionalidade limitada: Psicologia para economia comportamental. The American Economic Review, 93, 1449-1475.

Kimura, H. & Basso, L. F. C. (2003). Finanças comportamentais: Investigação do Comportamento Decisório dos Agentes Brasileiros. EnANPAD. Anais... p. 1-16.

Krause, D. R., Vachon, S., & Klassen, R. D. (2009). Special topic forum on sustainable supply chain management: introduction and reflections on the role of purchasing management. Journal of Supply Chain Management, 45(4), 18-25.

Lam, D. & Schoeni, R. (1993). Effects of family background on earnings and returns to schooling: Evidence from Brazil. Journal of Political Economy, 101(4), 710-740.

Leite, R. M., Cherobim, A. P. M. S., Silva, H. D. F. N., & Bufrem, L. S. (2008). Orçamento empresarial: levantamento da produção científica no período de 1995 a 2006. Revista Contabilidade & Finanças, 19(47), 56-72.

Lima Filho, R. N. & Bruni, A. L. (2013). Quanto mais faço, mais erro? Uma análise sobre a presença de vieses cognitivos em julgamentos sobre orçamento. Base, 10(3).

Lima Filho, R. N., Bruni, A. L., & Sampaio, M. S. (2012). A Influência do Gênero, Idade e Formação na Presença de Heurísticas EM Decisões de Orçamento: Um Estudo Quase experimental. Revista Universo Contábil, 8(2), 103-117.

LIST, J. A. (2004). Neoclassical theory versus prospect theory: evidence from the marketplace. Econometrica, 72(2), 615-625.

Liyaharachchi, G. A. & Milne, M. J. (2005). Comparing the investment decisions of accounting practitioners and students: An empirical study on the adequacy of student surrogates. Accounting Fórum, 29, 121-35.

Lordelo, E. D. R., Chalhub, A. A., Guirra, R. C., & Carvalho, C. S. (2007). Contexto e desenvolvimento cognitivo: freqüência à creche e evolução do desenvolvimento mental.

Lucchesi, E. P. (2011). O efeito disposição e suas motivações comportamentais: um estudo com base na atuação de gestores de fundos de investimento em ações (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Lucena, W. G. L., Fernandes, M. S. A., & da Silva, J. D. G. (2011). A contabilidade comportamental e os efeitos cognitivos no processo decisório: uma amostra com operadores da contabilidade. Revista Universo Contábil, 7(3), 41-58.

Marginson, D., & Ogden, S. (2005). Coping with ambiguity through the budget: the positive effects of budgetary targets on managers’ budgeting behaviours. Accounting, Organizations and Society, 30(5), 435-456.

Mesquita de Almeida, W. (2015). Os herdeiros e os bolsistas do ProUni na cidade de São Paulo. Educação & Sociedade, 36(130).

Moraes, J. D. D., & Tabak, B. M. (2018). Heuristics And Biases Of Judicial Decision: An Economic And Behavioral Analysis Of Law. Revista Direito GV, 14(2), 618-653.

Nunnally, J. C. (1978). Psychometric theory. Auflage, New York ua: Mc Graw-Hill.

Pereira, Jefferson Rodrigues, Sousa, Caissa Veloso e, Cunha, Gustavo Rodrigues, Silva, Wendel Alex Castro, & Machado, Eulene Aparecida. (2015). Âncoras de decisão: um estudo de precificação com produtos originais e réplicas. Tourism & Management Studies, 11(2), 189-196. doi: https://dx.doi.org/10.18089/tms.2015.11223

Reis, Mauricio Cortez, & Ramos, Lauro. (2011). Escolaridade dos pais, desempenho no mercado de trabalho e desigualdade de rendimentos. Revista Brasileira de Economia, 65(2), 177-205. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0034-71402011000200004

Richardson, R. J. (Org.). (2011). Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3. Ed. 12. Reimp. São Paulo: Atlas.

Shah, AK, & Oppenheimer, DM (2008). Heurística facilitada: uma estrutura de redução de esforço. Psychological Bulletin, 134(2), 207-222.

Tversky, A. & Kahneman, D. (1974). Judgment under uncertainty: Heuristics and biases. Science, 185, 1124–1130. doi: https://doi.org/10.1126/science.185.4157.1124.

Utsumi, M. C., & Mendes, C. R. (2001). Investigando A Solução De Problemas Matemáticos Não-Rotineiros. Anais do “I Seminário Internacional de Educação” (Cianorte-Paraná-Brasil), p. 1839-1843, Setembro/2001 - ISSN 1676-0417




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2018.v8i2.2684

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.