A Influência do Modelo Weberiano de Burocracia na Escola Clássica, Escola de Relações Humanas e Abordagem Comportamental

Natália Pavanelo Pivetta, Simone Alves Pacheco de Campos, Flavia Luciane Scherer

Resumo


Um dos mais poderosos analistas da modernidade foi Max Weber, por meio de seus estudos a respeito da corporação burocrática moderna, o autor contribuiu de forma significativa para a teoria organizacional. Diante da importância deste teórico, este ensaio tem como objetivo analisar a influência do modelo weberiano de burocracia na Escola Clássica, Escola de Relações Humanas e Abordagem Comportamental. Para isso, neste estudo são tratados alguns aspectos do modelo weberiano, bem como sua características e a influência nas escolas selecionadas. A partir das análises do estudo, pode-se perceber que o modelo burocrático weberiano contribuiu para a teoria das organizações de forma ímpar. Por meio de sua percepção, Weber identificou algumas características da realidade que proporcionaram o desenvolvimento estrutural das organizações de hoje. A vista dos resultados apresentados ao decorrer do texto, considera-se relevante dar continuidade a este assunto, realizando-se futuras pesquisas a respeito da influência weberiana na Teoria Organizacional levando em consideração as escolas que não foram tratadas ao longo deste trabalho.


Palavras-chave


Racionalidade Burocrática, Escola Clássica, Relações Humanas, Abordagem Comportamental.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Aktouf, O. (2001). Administração e teorias das organizações contemporâneas: rumo a um humanismo radical crítico?. Organizações & Sociedade, 8(21), 13-33.

Baehr, P. (2001). The “iron cage” and the “shell as hard as steel”: Parsons, Weber, and the Stahlhartes Gehäuse metaphor in the Protestant ethic and the spirit of capitalism. History and Theory, 40 (2), 153-169.

Barnard, C. I. (1971). As funções do executivo. São Paulo: Atlas.

Bruce, K., & Nyland, C. (2011). Elton Mayo and the deification of human relations. Organization Studies, 32(3), 383-405.

Colossi, N. (1978). A teoria administrativa e o mito da neutralidade científica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Cruz, J. A. W. (2006). A burocracia fora do senso comum. Perspectivas Contemporâneas, 1(1).

Faria, J. H. (1983). Weber e a sociologia das organizações. Revista de Administração, 18(2), 23 -29.

Faria, J. H., & Meneghetti, F. K. (2011). Burocracia como organização, poder e controle. RAE-Revista de Administração de Empresas, 51(5), 424-439.

Fayol, H. (1994). Administração industrial e geral. São Paulo: Atlas.

Jaspers, K. (1977). Método e visão do mundo em Weber. Sociologia: para ler os clássicos. São Paulo, Livros Técnicos e Científicos.

Kalberg, S. (2005). Max Weber: readings and commentary on modernity. Oxford: Blackwell.

Kalberg, S. (2010). Max Weber: Uma introdução. Rio de Janeiro: Zahar.

Kilduff, M., & Dougherty, D. (2000). Change and development in a pluralistic world: the view from the classics. Academy of Management Review, 25(4), 777-782.

Lodi, J. B. (1971). As funções do executivo. Revista de Administração de Empresas, 11(3), 119-122.

Marsden, R., & Towley, B. (1999). Introdução: a coruja de Minerva – reflexões sobre a teoria na prática. In: Clegg, S., Hardy, C., & Nord, W. Handbook de estudos organizacionais. 2. São Paulo: Atlas.

Meneghetti, F. K. Guarido Filho, & E. R. Azevêdo, A. (2014). Por que ler clássicos no ensino e pesquisa em Administração? Revista de Administração Científica, 18(5), 695-709.

Mills, A. J., Weatherbee, T. G., & Durepos, G. (2014). Reassembling Weber to reveal the-past-as-history in management and organization studies. Organization, 21(2), 225-243.

Motta, F. P. (1985). O que é burocracia? São Paulo: Abril Cultural/Brasiliense.

Moraes, L. F. R., Maestro Filho, A. D., & Dias, D. V. (2003). O paradigma weberiano da ação social: um ensaio sobre a compreensão do sentido, a criação de tipos ideais e suas aplicações na teoria organizacional. Revista de Administração Contemporânea, 7(2), 57-71.

Paula, A. P. P. D. (2002). Tragtenberg revisitado: as inexoráveis harmonias administrativas e a burocracia flexível. Revista de Administração Pública, 36(1), 127-144.

Perrow, C. (1986). Complex organizations: a critical essay. New York: McGrawHill.

Quintaneiro, T., Barbosa, M. L. O., & Oliveira, M. G. M. (2003). Um toque de clássicos: Marx, Durkheim e Weber. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Roethlisberger, F. J., & Dickson, W. J. (1939). Management and the worker: an account of a research program conducted by the Western Eletric Company, Hawthorne Works, Chicago. Cambrigde: Harvard University Press.

Shenhav, Y. (2003) The Historical and Epistemological Foundations of Organization theory: Fusing Sociological with Engineering Discourse. In: Tsoukas H and Knudsen C (eds) The Oxford Handbook of Organization Theory. Oxford: Oxford University Press, 183-209.

Taylor, F. W. (1995). Princípios de Administração Científica. São Paulo: Atlas.

Tragtenberg, M. (1971). A teoria geral da administração e uma ideologia? Revista de Administração de Empresas, 11(4), 7-21.

Tragtenberg, M. (1974). Burocracia e ideologia. São Paulo: Ática.

Tragtenberg, M. (2005). Administração, Poder e Ideologia. São Paulo: 2 Unesp.

Weber, M. (1971). Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2018.v8i2.2641

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.