Governança Corporativa nas Empresas Brasileiras de Edificações e Construção Pesada

Rodrigo Freire Lins, Maria de Fátima Bruno-Faria

Resumo


O presente estudo teve como objetivo identificar e descrever as práticas de governança corporativa nas empresas brasileiras de capital aberto dos segmentos de Construção Pesada e Edificações e compará-las com as recomendações do código de “melhores” práticas do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, emitido em 2015. Foram identificadas quais práticas haviam sido objeto tanto do código do IBGC quanto das pesquisas científicas nacionais e internacionais na área de Administração revisadas pelo referencial teórico do artigo. Com emprego do método quantitativo, realizou-se uma pesquisa descritiva valendo-se da técnica de pesquisa documental, a fim de verificar a observância ou não de tais características em vinte empresas dos ramos de Edificações e Construção Pesada. Dentre os documentos corporativos, foram analisados os códigos de conduta, formulários de referência e demonstrações financeiras padronizadas a partir dos sites dessas empresas. Pode-se perceber que as empresas brasileiras desses setores possuem indicativo bastante positivo quanto ao nível de Disclosure (divulgação) de suas informações e relação com as auditorias independentes, principalmente após associação aos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa da Bolsa de Valores de São Paulo instituídos em 2000. Contudo, verifica-se ainda um cenário de grande desafio para as empresas ao tentarem se adequar aos padrões de governança, dadas suas tradições de organizações familiares e de carência de legislação protetiva aos investidores no país, que interferem definitivamente no nível de independência e longevidade de mandatos nos conselhos de administração em geral.

Palavras-chave


Governança Corporativa; stakeholders; disclosure

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Bach, T., Kudlawicz, C. & Silva, E. (2015). Influência da estrutura de governança corporativa na eficiência financeira: evidências de empresas brasileiras de capital aberto. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 14(4), 41-62.

Berardi, P. & Brito, R. (2015). Drivers de gestão ambiental no contexto brasileiro. BAR - Brazilian Administration Review, 12(1), 109-128. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-76922015000100007&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 29 nov. 2017.

Bortolon, P., & Silva, A. (2015). Deslistagem de companhias brasileiras listadas na bolsa de valores: evidências empíricas sobre a Governança Corporativa. Brazilian Business Review, 12, 97-124.

BOVESPA - Bolsa de Valores de São Paulo. (2011). Regulamento de Listagem e Aplicação de Sanções pecuniárias do Novo Mercado. Disponível em: < http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/regulacao/regulamentos-e-manuais/#item-2 >. Acesso em: 29 nov. 2017.

BOVESPA - Bolsa de Valores de São Paulo. (2016). Empresas Listadas. Disponível em: < http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/listados-a-vista-e-derivativos/renda-variavel/empresas-listadas.htm >. Acesso em: 29 nov. 2017.

BOVESPA - Bolsa de Valores de São Paulo. (2017). Critério de classificação. Disponível em: < http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/listados-a-vista-e-derivativos/renda-variavel/acoes/criterio-de-classificacao/ >. Acesso em: 29 nov. 2017.

Cintra, R., Amâncio-Vieira, S., Suzuki, T., & Costa, B. (2014). Stakeholder theory: análise nos periódicos brasileiros a partir da bibliometria. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 13(4), 44-55.

Correia, L., Amaral, H., & Louvet, P. (2011). Um índice de avaliação da qualidade da governança corporativa no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças – USP, 22(55), 45-63.

Costa, S., Neto, G., Celani, C., & Nour, A. (2017). Perdendo as rédeas da governança corporativa: o megaescândalo envolvendo uma empreiteira brasileira. Encontro Nacional de Cursos de Graduação em Administração, 28. Anais..., Brasília, DF, Brasil.

Creswell, J. (2007). Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Demirbas, D., & Yukhanaev, A. (2011). Independence of board of directors, employee relation and harmonization of corporate governance. Employee Relations, 33(4), 444-471.

Duff, A. (2014). Corporate social responsibility reporting in professional accounting firms, British Accounting Review, 48(1), 74-86.

Elmagrhi, M., Ntim, C., & Wang, Y. (2016). Antecedents of voluntary corporate governance disclosure: a post-2007/08 financial crisis evidence from the influential UK Combined Code, Corporate Governance, 16(3). 507-538.

Freitas, A., Cabral, A., Fonteles, I., Pessoa, M., & Santos, S. (2012). Engajamento dos stakeholders: Uma análise dos relatórios de sustentabilidade de empresas brasileiras do setor financeiro. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 11(4), 14-25.

Gelman, M., Castro L., & Seidler, V. (2015). Efeitos da Vinculação de Conselheiros ao acordo de acionistas no valor da firma. Revista de Administração de Empresas – FGV-EAESP, 55(3), 345-358.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas.

Hair, J., Babin, B., Money, A., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de Métodos de Pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014). Pesquisa Anual da Indústria da Construção. Departamento de Indústria. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: < http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/54/paic_2014_v24.pdf >. Acesso em: 29 nov. 2017.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Estatísticas do cadastro central de empresas: 2014. Coordenação de Metodologia das Estatísticas de Empresas, Cadastros e Classificações. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: < http://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=297205 >. Acesso em: 29 nov. 2017.

IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. São Paulo: IBGC.

IBOPE - Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. (2015). Índice de Confiança Social. IBOPE Inteligência. Rio de Janeiro: IBOPE. Disponível em: < www.ibope.com.br/pt-br/noticias/Documents/ics_brasil.pdf >. Acesso em: 29 nov. 2017.

L’Huillier, B. (2014). What does “corporate governance” actually mean?. Corporate Governance, 14(3), 300-319.

Lameira, V. (2012). As relações entre governança e risco nas companhias abertas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 14(42), 7-25.

Latini E., Fontes-Filho, J., & Chambers, E. (2014). Private equity and corporate governance: managing Brazilian SMEs. Corporate Governance, 14(2), 220237.

Mapurunga, P., Ponte, V., & Oliveira, M. (2015). Determinantes das Práticas de Governança Corporativa: Um estudo nas empresas registradas na CVM. Advances in Scientific and Applied Accounting, 8(3), 374-395.

Oliveira, M., Ceglia, D., & Antonio, F. (2016). Analysis of corporate governance disclosure: a study through BRICS countries. Corporate Governance, 16(5), 923-940.

Silveira, A. (2004). Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade: Determinantes e Relação com o desempenho das empresas no Brasil. 2004. 254 f. Tese (Doutorado em Administração). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Teti, E., Dell’Acqua, A., Etro, L., & Resmini, F. (2016). Corporate governance and cost of equity: empirical evidence from Latin American companies. Corporate Governance. 16(5), 831-848.

Vieira, K., Velasquez, M., Losekann, V., & Ceretta, P. (2011). A influência da governança corporativa no desempenho e na estrutura de capital das empresas listadas na Bovespa. Revista Universo Contábil, 7(1), 49-67.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2018.v8i1.2544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.