Influência da Motivação para o Trabalho no Comprometimento Organizacional

Vinícius Costa da Silva Zonatto, Alini da Silva, Michele Gonçalves

Resumo


Este estudo teve por objetivo averiguar a influência da motivação para o trabalho no comprometimento organizacional. Trata-se de um estudo de caso, de natureza descritiva e abordagem quantitativa, que foi realizado com 96 colaboradores do setor administrativo. O caso estudado refere-se a uma organização industrial de grande porte, que atua com produtos derivados de plástico e borracha, esta possui certificação ISO 9001 e emprega atualmente mais de 600 funcionários, possuindo um portfólio de mais de mil e quinhentos itens. Foi fundada na década de 1920 e possui uma das marcas mais tradicionais do Brasil. Os resultados encontrados demonstraram que trabalhadores com motivação intrínseca e extrínseca possuíam comprometimento afetivo. Quanto maior a faixa etária maior o comprometimento afetivo e normativo. Trabalhadores do gênero masculino demonstraram nível elevado de comprometimento, ressaltando-se o instrumental. E, que quanto maior o nível de escolaridade, menor o comprometimento afetivo e instrumental. Constatou-se que os trabalhadores mesmo atuando em um contexto de trabalho semelhante, que é o setor administrativo, as reações do indivíduo no trabalho diferiram, o que está relacionado à diversidade humana e suas percepções em relação ao ambiente. Efeitos de diferentes variáveis, sob as relações existentes entre os tipos de motivação para o trabalho e comprometimento organizacional, revelaram a necessidade do desenvolvimento de ações distintas na organização, para estimular os diferentes tipos de motivação dos indivíduos e consequentemente seu comprometimento com o trabalho e desempenho. Concluiu-se que diferenças de faixa etária, gênero e escolaridade influenciaram os tipos de motivação e comprometimento predominantes, razão pela qual tais fatores devem ser observados quando da realização de novos estudos.


Palavras-chave


Motivação para o trabalho; Comprometimento organizacional; Indústria de Transformação

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Alberton, L. & Beuren, I. (2003). A formação comportamental de auditores contábeis independentes: um estudo multicaso. RECADM, 1(2), p. 1-24.

Alniaçik, Ü., Alniaçik, E., Akçin, K., & Erat, S. (2012). Relationships between career motivation, affective commitment and job satisfaction. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 58, 355-362.

Bang, H., Ross, S., & Reio Jr, T. (2013). From motivation to organizational commitment of volunteers in non-profit sport organizations: The role of job satisfaction. Journal of Management Development, 32 (1), 96-112.

Barreto, L., Da Silva, M., Fischer, A., Albuquerque, L, & Amorim, W. (2011). Temas emergentes em gestão de pessoas: uma análise da produção acadêmica. Revista de Administração da UFSM, 4(2), 215-232.

Bedran Júnior, P. & Oliveira, J. (2009). Motivação no trabalho: avaliando o ambiente organizacional. In: V Congresso Nacional de Excelência em Gestão: Gestão do Conhecimento para a Sustentabilidade. Rio de Janeiro–Brasil.

Bergamini, C. (2002). Motivação: uma viagem ao centro do conceito. RAE executivo, 1(2), 63-67.

Borges, R. (2013). The influence of individual, job-related, and organizational characteristics on organizational commitment and the moderation role of public-private sectors. In: IV encontro de gestão de pessoas e relações de trabalho – ENGPR.

Corrar, L., Paulo, E., & Dias Filho, J. (2014). Análise Multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas.

Deci, E., Vallerand, R., Pelletier, L., & Ryan, R. (1991). Motivation and education: the self-determination perspective. Educational Psyhologist, 26(3-4), 325-346.

Demo, G., Fogaça, N., Nunes, I., Edrei, L., & Francischeto, L. (2011). Políticas de gestão de pessoas no novo milênio: cenário dos estudos publicados nos periódicos da área de administração entre 2000 e 2010. Revista de Administração Mackenzie, 12(5).

Dutra, J. (2002). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. Atlas.

Ferreira, A. (2006). Novo dicionário Aurélio versão 5.0 edição revista e atualizada: Dicionário eletrônico. CD-ROM. Curitiba: Positivo.

Gagné, M. & Deci, E. (2005). Self-determination theory and work motivation. Journal of Organizational behavior, 26(4), 331-362.

Godoi, C. K. (2002). Pulsão e Cognição: categorias da motivação na aprendizagem. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis: EDUFSC, 32, p. 329-347.

Grohmann, M., Cunha, L., & Silinske, J. (2013). Relações entre motivação, satisfação, comprometimento e desempenho no trabalho: estudo em um Hospital Público. In: IV Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Brasília/DF.

Hair, J., Anderson, R., Tatham, R., & Black, W. (2005). Análise multivariada de dados. 5.ed. São Paulo: Bookman.

Herzberg, F. (1979). Motivation and innovation: who are workers serving? Califórnia Management Review, 22(2), 60-70.

Herzberg, F. (1997). Mais uma vez: como motivar seus funcionários. Harvard Business Review Book. Rio de Janeiro: Campus.

Locke, E. & Latham, G. (2004). What should we do about motivation theory? Six recommendations for the twenty-first century. Academy of Management Review, 29(3), 388-403.

Mascarenhas, A. & Barbosa, A. (2013). Brazilian scientific production in human resource management in the period 2000-2010. Revista de Administração de Empresas, 53(1), 35-45.

Mascarenhas, A. (2011). Gestão Estratégica de Pessoas: evolução teoria e crítica. São Paulo: Cangage Learning.

Maslow, A. (1943). A theory of human motivation. Psychological review, 50(4), 370.

Medeiros, C. & Enders, W. (1998). Validação do modelo de conceitualização de três componentes do comprometimento organizacional (Meyer e Allen, 1991). Revista de Administração Contemporânea, 2(3), 67-87.

Meyer, J. & Allen, N. (1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human resource management review, 1(1), 61-89.

Meyer, J. & Allen, N.(1997). Commitment in the workplace: theory, research, and application. London: Sage Publications.

Meyer, J., Stanley, D., Herscovitch, L., & Topolnytsky, L. (2002). Affective, continuance, and normative commitment to the organization: A meta-analysis of antecedents, correlates, and consequences. Journal of vocational behavior, 61(1), 20-52.

Moraes, F. (2005). Comprometimento organizacional e motivação dos professores de uma instituição de ensino superior. 108f. 2005. Dissertação (Mestrado Acadêmico da Universidade do Vale do Itajaí) – Centro de Educação de Biguaçu, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu.

Moynihan, D. & Pandey, S. (2007). Finding workable levers over work motivation comparing job satisfaction, job involvement, and organizational commitment. Administration & Society, 39(7), 803-832.

Pérez-Ramos, J. (1990). Motivação no trabalho: abordagens teóricas. Psicologia USP, 1(2), 127-140.

Porter, L., Steers, R., & Mowday, R. (1974). Organizational Commitment, Job Satisfaction, and Turnover among Psychiatric Technicians. Journal of Applied Psychology, 59(5), 603-9.

Rego, A. & Souto, S. (2002). Comprometimento organizacional - um estudo luso-brasileiro sobre a importância da justiça. In: EnANPAD, 26, 2002, Salvador, Anais... ANPAD: Salvador.

Robbins, S. (2002). Comportamento Organizacional. São Paulo: Prentice Hall.

Schwartz, S. (1992). Universals in the content and structure of values: Theoretical advances and empirical tests in 20 countries. Advances in experimental social psychology, 25(1), 1-65.

Tamayo, A. & Paschoal, T. (2003). A relação da motivação para o trabalho com as metas do trabalhador. Revista de Administração Contemporânea, 7(4), 33-54.

Trivellas, P. (2011). Work motivation and job performance of frontline employees: the mediating role of organizational commitment. In: Industrial Engineering and Engineering Management (IEEM), 2011 IEEE International Conference on. IEEE, 1878-1882.

Vandenabeele, W. (2009). The mediating effect of job satisfaction and organizational commitment on self-reported performance: more robust evidence of the PSM—performance relationship. International review of administrative sciences, 75(1), 11-34.

Ventura, V. & Leite, N. (2014). Percepção da influência da gestão estratégica de pessoas no comprometimento organizacional. Revista Pretexto, 15(3), 11-28.

Vollmeyer, R. & Gheinberg, F. (2000). Does motivation affect performance via persistence? Learning and instruction. Institute of Psichology, University of Potsdam, Germany.

Westover, J., Westover, A., & Westover, L. (2010). Enhancing long-term worker productivity and performance: The connection of key work domains to job satisfaction and organizational commitment. International Journal of Productivity and Performance Management, 59(4), 372-387.

Wiener, Y. & Vardi, Y. (1990). Relationships between organizational culture ande individual motivation and a conceptual integration. Psychological Reports, 67(1), 295-306.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2018.v8i1.2180

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.