Planejamento em Empresa Automotiva: Um Estudo de Caso por Meio da Prospecção de Cenários

Henrique Dias Blois, Conrado Blois Berndsen, Bruno Blois Nunes, Maitê Peres de Carvalho, Isabel Cristina Rosa Barros Rasia

Resumo


O setor automotivo no Brasil cresceu consideravelmente nas últimas décadas tanto com relação à quantidade de investimentos, quanto à criação de novos produtos, geração de emprego e renda, ofertas de serviços e desenvolvimento de novas tecnologias. As empresas do segmento automotivo estão inseridas em um mercado extremamente competitivo e sujeito às oscilações da economia, portanto, diante dos desafios do mercado atual, é imprescindível que as empresas e organizações mantenham-se atualizadas em suas definições de prioridades e na alocação dos recursos disponíveis. Buscando esse contexto competitivo, o estudo contempla a prospecção de cenários futuros em uma empresa do setor automotivo brasileiro no sul do país, tendo como objetivo a construção de cenários apontando eventos que, positiva ou negativamente, possam causar impactos para a empresa nos próximos cinco anos, implementando estratégias que minimizem as instabilidades socioeconômicas. Para tanto, utilizou-se o método descrito por Grumbach, o qual tem por base o software Puma versão 4.0 como auxílio na escolha pela melhor tomada de decisão, identificando possibilidades e alternativas de evolução e apresentando tendências por meio de reuniões com peritos na temática estudada. Foram analisados e interpretados os dez primeiros cenários constituídos pela ocorrência ou não ocorrência dos eventos, sendo classificados em cenário mais provável, de tendência e ideal. Também foi evidenciado o grau de influência e dependência entre os eventos, o que gerou a matriz de impactos cruzados. Além disso, foram construídos e analisados possíveis cenários futuros demonstrando que a empresa estudada possui eventos potenciais que poderão servir como alternativas para o setor. No entanto, não foi identificado nenhum cenário ideal para os próximos cinco anos, fato que se deve ao ambiente de incertezas ocasionado pela crise político/econômica vivenciada no país. De qualquer forma, o estudo proporcionou a definição de estratégias em ambientes turbulentos no qual está inserida a empresa e contribuiu para o entendimento das incertezas vivenciadas, mostrando o grau de influência e dependência entre os eventos.


Palavras-chave


Cenários futuros; Comercialização de veículos; Planejamento estratégico; Crise econômica; Setor automotivo

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Albrecht, K. (1994). Programando o futuro: o trem da linha norte. Makron Books.

Beuren, I. (2000). Gerenciamento da informação: um recurso no processo estratégico empresarial. Editora Atlas.

Blois, H. D., Muraro, M., de Oliveira, G., & da Silva, K. N. (2008). A utilização de cenários prospectivos como ferramenta para o planejamento urbano em bairros de baixa renda. Anais do IV Encontro de Economia Gaúcha, Porto Alegre - RS.

Blois, H. D., Padilha, A. C. M., de Medeiros, J. F., Cruz, C. M. L., & de Castilhos Spanholi, J. (2015). A aplicação da ferramenta de cenários prospectivos em um bairro de baixa renda localizado em Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Revista de Administração da UFSM, 8(4), 580-597.

Brasil. Ministério Da Indústria, Comércio Exterior E Serviços [MDIC]. (2016). Setor Automotivo. Disponível em: < http://www.mdic.gov.br/competitividade-industrial/principais-acoes-de-desenvolvimento-industrial/brasil-produtivo > Acesso em: 20 ago. 2017.

Cirico, J. C. N. (2007). Prospectando mercados: Cenários futuros para as exportações da Empresa JR-Adamver (Mormaii Eyewear). Trabalho de conclusão de curso de graduação, Faculdade de Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Ferrell, O. C., & Hartline, M. (2011). Marketing strategy, text and cases. 5. ed. Mason: South-Western Cengage Learning.

Gil, A. C. (1989). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Grisi, C. D. H., & Britto, R. P. D. (2003). Técnica de Cenários e o Método Delphi: uma aplicação para o ambiente brasileiro. Seminários em Administração FEA-USP São Paulo, São Paulo, Brasil.

Grumbach, Raul José dos Santos (2005). Método Grumbach de Planejamento Estratégico e Cenários Prospectivos. Guia. Rio de Janeiro.

GRUMBACH, Raul José Santos (1997). Prospectiva: a chave para o planejamento estratégico. Rio de Janeiro: Catau.

Hudson, R. (2010). Marketing situation analysis and strategic planning for NHS clinical services. Journal of Management & Marketing in Healthcare, 3(3), 224-238.

KOTLER, Philip. (1995). Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Marcial, E. C., & Grumbach, R. J. S. (2002). Cenários Prospectivos: como construir um futuro melhor. Rio de Janeiro: FGV.

Marcial, E. C., & Grumbach, R. J. S. (2005). Cenários prospectivos: como construir um futuro melhor. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV.

Marcial, E. C., & Grumbach, R. J. S. (2008). Cenários prospectivos: como construir um futuro melhor. 5.ed. Rio de Janeiro: FGV.

Mcdonald, M. (2006). Strategic marketing planning: theory and pratice. The Marketing Review, 6(4), p. 375-418.

Mcgee, J., & Prusak, L (1994). Gerenciamento estratégico da informação: aumento a competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como uma ferramenta estratégica. Rio de Janeiro: Elsevier.

Mendonça, M. B. de (2011). Técnicas de Prospecção e Análise de Cenários Futuros nos Governos e Administração Pública do Brasil: Revisão da Produção Científica Brasileira de 2001 a 2010. Trabalho apresentado ao 3ES – V Encontro de Estudos em Estratégia – ANPAD, Porto Alegre.

Moritz, G. O., Nunes, R., & Pereira, M. F. (2008, abr./jun.). Os métodos de prospecção de cenários e sua aplicação nas organizações: um estudo de caso no período 1998-2008. FACES, Belo Horizonte, 7(2), p. 68-83.

Pardo, N., & Moya, J. A. (2013, jun.). Prospective scenarios on energy efficiency and CO2 emissions in the European Iron & Steel industry. Energy, v. 54, p. 113-128.

Porter, M. E. (1986). Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 18.ed. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. E. (1989). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 26.ed. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. E. (1992). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 7.ed. Rio de Janeiro: Campus.

Ratcliffe, J., & Krawczyk, E. (2011, sept.). Imagineering city futures: the use of prospective through scenarios in urban planning. Futures, 43(7), p. 642-653.

Safatle, C., Borges, J., & Oliveira, R. (2016). Anatomia de um Desastre: os bastidores da crise econômica que mergulhou o país na pior recessão de sua história. São Paulo: Portfolio-Penguin.

Schwartz, P. (2000). A arte da visão de longo prazo: caminhos para um insight estratégico para você e a sua empresa. São Paulo: Best Seller.

Software Puma 4.0. Disponível em: < http://www.brainstormingweb.com.br/puma.brain >. Acesso em: 2 abr. 2017.

Stoner, J. A. F., & Freeman, R. E. (1994). Administração. Rio de Janeiro: LTC.

Vergara, S. C. (2006). Métodos de pesquisa em administração. 2.ed. São Paulo: Atlas.

Viguié, V., Hallegatte, S., & Rozenberg, J. (2014, sept.). Downscaling long term socio-economic scenarios at city scale: a case study on Paris. Technological Forecasting and Social Change, v. 87, p. 305-324.

Westwood, J. (2006). How to write a marketing plan. 3. ed. London/UK: Kogan Page Limited.

Wright, J. T. C., & Spers, R. G. (2017). O país no futuro: aspectos metodológicos e cenários. Estudos Avançados, São Paulo, 20(56), p. 13-28.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2018.v8i1.2135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.