Análise da Propaganda do Varejo Supermercadista no Brasil: um estudo da Semiótica dos maiores Players do Mercado

Isabella Gil Barbosa da Silva, Eduardo de Paula e Silva Chaves

Resumo


O estudo das representações e imagens envolvidas nas campanhas publicitárias é, cada dia mais, um recorrente recurso dos gestores mercadológicos. Dessa forma, compreender e analisar as companhas publicitárias e sua semiótica se faz importante fonte de pesquisa. Nesse contexto surge o seguinte problema de pesquisa: analisar a semiótica das propagandas de varejos supermercadistas nacionais através da constituição de um quadrado semiótico. Foram investigadas as propagandas das maiores marcas de varejo supermercadista no Brasil, pelas variáveis preço, produto e pessoas. E assim, foi constituído o quadrado semiótico para a propaganda dos varejos supermercadistas no Brasil.  


Palavras-chave


Propagandas, Varejo Supermercadista, Semiótica.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Associação Brasileira de Supermercados. Disponível em: http://www.abrasnet.com.br/economia-e-pesquisa/ranking-abras/as-500-maiores/. Acesso em: 01 maio 2017.

Ayres, K. (2000, setembro). Tecno-stress: um estudo em operadores de caixa de supermercado. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Florianópolis, SC, Brasil, 24.

Bacha, M. L. (2005, setembro). Semiótica aplicada ao marketing: a marca como signo. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - ENANPAD, Brasília, 20.

Baudrillard, J. Le système des objets. Paris: Gallimard, (1968). apud Thiry-Cherques, H. R. (2010). Baudrillard: trabalho e hiper-realidade. RAE eletrônica, São Paulo, 9(1).

Barros, D. L. P., & Fiorin, J. L. (1988). Teoria do discurso: fundamentos semióticos. São Paulo: Atual.

Costa, D. F., Jr. (2013). Lógica em linguística: o quadrado semiótico e os estados intencionais da pragmática. Cadernos de Letras da UFF, 23(46), 173-194.

Featherstone, M. (1995). Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel.

Fiorin, J. L. (2011). Elementos de análise do discurso. São Paulo: Ed. Contexto.

Floch, J. M. (1988). The contribution of structural semiotics to the design of a hypermarket. International Journal of Research in Marketing, 4(3), 233-252.

Global 500 2017. (2017). Disponível em: http://brandfinance.com/ima ges/upload/global_500_2017_locked_website.pdf. Acesso em: 05 maio, 2017.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63.

Google Imagens. Disponível em: https://images.google.com/. Acesso em: 20 janeiro, 2017.

Greimas, A. J. (1973). Semântica estrutural. São Paulo: Cultrix.

Greimas, A. J., & Courtés, J. (2008). Dicionário da semiótica. São Paulo: Contexto.

Greimas, A. J., & Courtés, J. Dicionário da semiótica. São Paulo: Contexto, 2008. apud L. A. G. P., Pessôa, D. F. Barros, A. D. S M. D. Costa (2017). Representações da relação homem-carro: uma análise semiótica da propaganda brasileira de seguros de automóvel. Organizações & Sociedade, 24(80), 15-38.

Johar, J. S., & Sirgy, M. J. (1991). Value-expressive versus utilitarian advertising appeals: when and why to use which appeal. Journal of Advertising, (20)3, 23-33.

Kotler, P., & Keller, K. L. (2012). Administração de Marketing. 14ª ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

Las Casas, A. L. (2009) Marketing: conceitos, exercícios, casos. 8ª ed. São Paulo: Atlas.

Marcas Brasileiras Mais Valiosas 2014. Disponível em: http://interbrand.com/wp-content/uploads/2015/08/Interbrand-Best-Brazilian-Brands-2014.pdf. Acesso em: 05 maio 2017.

Matte, A. C. F., & Lara, G. M. P. (2009). Um panorama da semiótica Greimasiana. ALFA: Revista de Linguística, 53(2), 339-350.

Pessôa, L. A. G. de P., Barros, D. F., & Costa, A. de S. M. da. (2017). Representações da relação homem-carro: uma análise semiótica da propaganda brasileira de seguros de automóvel. Organizações & Sociedade, 24(80), 15-38.

Rajagopal, P., & Montgomery, N. V. (2011). I imagine, I experience, I like: the false experience effect. Journal of Consumer Research, 38(3), 578-594.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. 23ª ed. São Paulo: Cortez.

Sweeney, D. J., Willians, T. A., & Anderson, D. R. (2015). Estatística aplicada à administração e economia. 3ª ed. São Paulo: Cengage Learning.

Tavares, F. (2005). Discurso publicitário e consumo: uma análise crítica. Rio de Janeiro: E-Papers Serviços Editoriais Ltda.

Thiry-Cherques, H. R. (2010). Baudrillard: trabalho e hiper-realidade. RAE eletrônica, São Paulo, 9(1).

Zenone, L. C. (2013) Marketing: conceitos, ideias e tendências. São Paulo: Atlas.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2017.v7i2.1960

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.