O Lado Negro do Storytelling nas Organizações: A Importância da Reflexão

Eduardo Robini da Silva, Fabiano Larentis, Deise Taiana de Ávila Dias

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar as práticas do Storytelling, dentro do contexto organizacional, sob a perspectiva do seu lado negativo e obscuro, envolvendo tanto o contador como o ouvinte de histórias. Para isso, foi realizada uma pesquisa com abordagem qualitativa, objetivos exploratórios e descritivos e como estratégia de pesquisa um estudo qualitativo genérico. As técnicas de coletas utilizadas forma a entrevista semiestruturada e a entrevista narrativa. Os participantes do estudo foram gestores e empresários que atuam nas organizações há pelo menos 10 anos. Desta forma foi possível identificar as práticas de Storytelling nos mais diversos contextos organizacionais. Foi possível identificar o que se denominou como o lado negro do storytelling, evidenciando o perigo que as histórias podem causar para as pessoas, não somente quando mal-intencionadas, mas também inconscientemente, por meio de aspectos imprevisíveis que podem causar problemas futuros ao se contar uma história. Dentre as contribuições deste estudo destaca-se primeiro, a contribuição teórica, que está na reflexão sobre o aprofundamento da temática storytelling explicitando seus motivadores e resultados. Segundo, a contribuição gerencial está em sugerir aos gestores o aprimoramento do uso do storytelling como uma forma de desenvolvimento e sua efetiva aplicação dentro das organizações, podendo auxiliar os gestores na tomada de decisão.

Este estudo teve como objetivo analisar o Storytelling sob a perspectiva do seu lado negativo, envolvendo tanto o contador de histórias como o ouvinte. A pesquisa teve uma abordagem qualitativa, objetivos exploratórios e descritivos e como estratégia de pesquisa um estudo qualitativo genérico. Para seleção dos respondentes, buscou-se entrevistar gestores e empresários que atuavam nas organizações há pelo menos 10 anos, sendo estes participantes de setores distintos. Pode-se identificar as práticas de Storytelling nos mais diversos contextos organizacionais, aumentando a diversidade de elementos que emergem nestes contextos. O número de entrevistados que compõe esta investigação totalizam 12 gestores e empresários. Dentre as contribuições deste estudo, destaca-se a reflexão sobre o aprofundamento da temática storytelling. Foi possível identificar o que se denominou como o lado negro do storytelling, buscou-se evidenciar o perigo que as histórias podem causar para as pessoas, não somente quando mal-intencionadas, mas também existem aspectos imprevisíveis que podem causar problemas futuros ao se contar uma história.


Palavras-chave


Storytelling; Lado Negro; Reflexão; Motivadores e Resultados Storytelling

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Allen, R. B., & Acheson, J. (2000, June). Browsing the structure of multimedia stories. In Proceedings of the fifth ACM conference on Digital libraries (pp. 11-18). ACM.

Alterio, M., & McDrury, J. (2003). Learning through storytelling in higher education: Using reflection and experience to improve learning. Routledge.

ANDRADE, M. M. D. (1999). Introdução à Metodologia do Trabalho Científico: elaboração de trabalhos na graduação/Maria Margarida de Andrade.

Antonello, C. S., & Godoy, A. S. (2009). Aprendizagem organizacional no Brasil. Bookman Editora.

Antonello, C. S. (2005). A metamorfose da aprendizagem organizacional: uma revisão crítica. Aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Bookman, 12-33.

Beers, M. H., Ouslander, J. G., Rollingher, I., Reuben, D. B., Brooks, J., & Beck, J. C. (1991). Explicit criteria for determining inappropriate medication use in nursing home residents. Archives of internal medicine, 151(9), 1825-1832.

Bettleheim, B. (1977). The uses of enchantment: The meaning and importance of fairy talesVintage Books. New York.

Boje, D. M. (2014). Storytelling organizational practices: Managing in the quantum age. Routledge.

Bruner, J. S. (2009). Actual minds, possible worlds. Harvard University Press.

Brusamolin, V., & Moresi, E. A. D. (2008). Narrativas de histórias: um estudo preliminar na gestão de projetos de tecnologia da informação. Ciência da Informação, 37(1).

CARVALHO, M. M. D., PACHECO, A. P. G., SANTOS, S. D. L. D., & SILVA, V. (2007). Plano de transferência de conhecimento tácito e crítico entre os membros da equipe do centro nacional de gerência de telecomunicações da Petrobras. Monografia (Especialização em Gestão do Conhecimento e Inteligência Empresarial). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Cogo, R. S. (2011). A elaboração discursiva da memória organizacional: estudando o storytelling. Revista Eletrônica da Pós-Graduação da Cásper Líbero-ISSN 2176-6231, 3(2), 1-11.

Czarniawska, B. (2011). Narrating organization studies. Narrative Inquiry, 21(2), 337-344.

Denning, S. (2006). Effective storytelling: strategic business narrative techniques. Strategy & Leadership, 34(1), 42-48.

DiPardo, A. (1990). Narrative Knowers, Expository Knowledge Discourse as a Dialectic. Written Communication, 7(1), 59-95.

DUNCAN. S. (2016). The dark side of Storytelling. TEDxColumbiaCollege. YouTube.

Elkjaer, Bente. "Organizational learning: the ‘third way’." Management learning 35.4 (2004): 419-434.

ELKJAER, B., & HUYSMAN, M. (2013). Pragmatismo: uma teoria da aprendizagem para o futuro. KNUD, Illeris. Teorias Contemporâneas da Aprendizagem.

Elkjær, B., & Pedersen, S. H. (2007). Nordic Research on Workplace Learning 1995-2006. In Competence Development As Workplace Learning. Livraria Bertrand.

Erstad, O., & Silseth, K. (2008). Agency in digital storytelling: Challenging the educational context. Digital Storytelling, Mediatized Stories. Self-Presentations in New Media, 52, 213-232.

Gargiulo, T. L. (2005). The strategic use of stories in organizational communication and learning. ME Sharpe.

Godoi, C. K., BANDEIRA-DE-MELLO, R., & Silva, A. D. (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2.

No, R., & GRADE Working Group. (1989). Guba AEG, Lincoln YS. Fourth generation evaluation.

Harper, B., Ceccon, C., Oliveira, M. D. D., & Oliveira, R. D. D. (1980). Cuidado, escola. Desigualdade, domesticação e algumas saídas, 35.

Kaye, B., & Jacobson, B. (1999). True tales and tall tales. Training and Development, 53(3), 44-52.

Konnikova, M. (2013). Mastermind: how to think like Sherlock Holmes. Penguin.

Labov, W. (2006). Narrative pre-construction. Narrative inquiry, 16(1), 37-45.

Lankshear, C., & Knobel, M. (2008). Pesquisa pedagógica: do projeto à implementação. Artmed.

Lelic, S. (2001). Fuel your imagination-KM and the art of storytelling. Knowledge Management, 20, 9.

Linstead, S., Maréchal, G., & Griffin, R. W. (2014). Theorizing and researching the dark side of organization. Organization Studies, 35(2), 165-188.

Livingstone, D. W. (1999). Exploring the icebergs of adult learning: Findings of the first Canadian survey of informal learning practices. The Canadian Journal for the Study of Adult Education, 13(2), 49.

Malhotra, N. K., & Peterson, M. (2009). Basic marketing research: A decision-making approach. Prentice hall.

Mantere, S. (2013). What is organizational strategy? A language‐based view. Journal of Management Studies, 50(8), 1408-1426.

MATOS, G. A. (2010). Storytelling: líderes narradores de histórias. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Merriam, S. B., & Tisdell, E. J. (2015). Qualitative research: A guide to design and implementation. John Wiley & Sons.

Mintzberg, H. (1990). The Manager's Job: Folklore and Fact,[in:] Harvard Business Review, March.

Mintzberg, H., & McHugh, A. (1985). Strategy formation in an adhocracy. Administrative science quarterly, 160-197.

Nicolini, D., Gherardi, S., & Yanow, D. (2003). Knowing in organizations: A practice-based approach. ME Sharpe.

Norrick, N. R. (2005). The dark side of tellability. Narrative Inquiry, 15(2), 323-343.

Oblinger, D. (2003). Boomers gen-xers millennials. EDUCAUSE review, 500(4), 37-47.

O'Gorman, K. D., & Gillespie, C. (2010). The mythological power of hospitality leaders? A hermeneutical investigation of their reliance on storytelling. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 22(5), 659-680.

Peace, T. M., Mayo, K., & Watkins, R. (1998). Becoming Consumers of Our Own Research: What Really Makes a. The Journal, 1.

Pettigrew, A. M. (1987). Context and action in the transformation of the firm. Journal of management studies, 24(6), 649-670.

Pink, D. H. (2007). O Cérebro do Futuro: a revolução do lado direito do cérebro. RJ: Elsiever2007.

Prusak, L., Groh, K., Denning, S., & Brown, J. S. (2012). Storytelling in organizations. Routledge.

Pritchard, R. D. (2004). The dark side of organizational behavior (Vol. 24). R. W. Griffin, & A. O'Leary-Kelly (Eds.). John Wiley & Sons.

Richter, M., & Koppet, K. (2000). How to increase retention through storytelling. StoryNet. Retrieved June, 1, 2005.

Rosen, H. (1985). Stories and meanings. National Association for the Teaching of English.

Sarbin, T. R. (1986). Narrative psychology: The storied nature of human conduct. Praeger Publishers/Greenwood Publishing Group.

Savvidou, C. (2010). Storytelling as dialogue: how teachers construct professional knowledge. Teachers and Teaching: theory and practice, 16(6), 649-664.

Schank, R. C., & Cleary, C. (1995). Engines for Education. Hillsdale. RC Schank, С. Cleary.

Snowden, D. (2002). Complex acts of knowing: paradox and descriptive self-awareness. Journal of knowledge management, 6(2), 100-111.

Snowden, D. (2006). A leader's framework for decision making. Harvard Business Review, 85 (11), 69-76.

Snowden, D. (2005). Story Telling: A new skill in an old context. Originally published in Business Information Review, 16(1), 30-37.

VIGOTSKI, L. S. (1998). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução: José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. Bookman editora.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2018.v8i1.1877

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.