E aí, curtiu? – Difusão do adultério mercantilizado pela mídia

Thiago Ianatoni Camargo, André Luiz Maranhão de Souza Leão

Resumo


A partir de 2011 a mídia deu ênfase a operações de empresas ofertantes de serviço de encontros extraconjugais. Tendo em vista o papel da mídia como importante meio de formação de opinião pública acerca dos mais diversos temas de interesse social e, por isso, sua busca pelas organizações como meio de publicizar seus produtos e serviços, lançamos mão da seguinte questão investigativa: como o discurso da mídia difunde o adultério em sua repercussão dos serviços de encontros extraconjugais? Para realizar a investigação proposta localizamos o fenômeno no campo da Consumer Culture Theory (CCT) e adotamos a filosofia de Michel Foucault como base teórica e metodológica. Um total de 154 matérias jornalísticas publicadas em diferentes meios foram coletados e submetidos a uma análise de discurso. Os resultados revelam que a mídia difunde uma noção de adultério que se encontra ancorada em uma economia moral que unifica o espaço da vida privada e dos relacionamentos afetivos à lógica de consumo, destacando a conduta dos envolvidos consigo e com seus parceiros.

Palavras-chave


adultério mercantilizado; Consumer Culture Theory; Análise de Discurso Foucaultiana.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Arnould, E. J., & Thompson, C. J. (2005). Consumer Culture Theory (CCT): twenty years of research. Journal of Consumer Research, 31(4), 868-882.

Arnould, E. J., & Thompson, C. J. (2015). Introduction: Consumer Culture Theory: ten years gone (and beyond). Consumer Culture Theory, 17(1), 1-21.

Bauman, Z. (2004). Amor líquido. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z. (1998). O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z. (2008). Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar.

Bryce, D., Maclaren, A. C., & O’gorman, K. D. (2013). Historicising consumption: orientalist expectations of the Middle East, Consumption Markets & Culture, 16(1), 45-64.

Brokek-Cohen, Y. (2016). How are marketing strategies of genetic material used as a mechanism for biopolitical governmentality? Consumption Markets & Culture, 19(6), 534-554.

Canniford, R., & Karababa, E. (2013). Partly primitive: discursive constructions of the domestic surfer, Consumption Markets & Culture, 16(2), 119-144.

Casotti, L. M., & Suarez, M. Z. (2016). Dez anos de Consumer Culture Theory: delimitações e aberturas. Revista de Administração de Empresas, 56(3), 353-359.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Firat, A. F., & Dholakia, N. (2005). Consuming people: from political economy to theaters of consumption. London: Routledge.

Fyrberg-Yngfalk, A., Cova, B., Pace, S., & Skålén, P. (2014). Control and power in online consumer tribes: the role of confessions. Consumer Culture Theory, 15(1), 325-350.

Foucault, M. (1984). História da sexualidade v.2: o uso dos prazeres. Rio de janeiro: Graal.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade v.1: a vontade de saber. Rio de janeiro: Graal.

Foucault, M. (2007). As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2009). A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2010a). O sujeito e o poder. In: H. Dreyfus, P. Rabinow. Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. 2ª ed. (pp. 273-295). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2010b). Uma estética da existência. In: M. B. Motta (Org.). Ditos & escritos, v. 5: ética, sexualidade, política. 2ª ed. (pp. 288-293). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2014). Do governo dos vivos: curso do Collège de France (1979-1980), São Paulo: Martins Fontes.

Gaião, B. F., Souza, I. L., & Leão, A. L. (2012). Consumer Culture Theory (CCT) já é uma escola de pensamento em marketing? Revista de Administração de Empresas, 52(3), 330-344.

Geiger, S., & Prothero, A. (2007). Rhetoric versus reality: exploring consumer empowerment in a maternity setting. Consumption, Markets and Culture, 10(4), 375-400.

Hanna, P. (2013). A break from ‘reality’: an investigation into the ‘experiments with subjectivity’ on offer within the promotion of sustainable tourism in the UK. Journal of Consumer Culture, 13(3), 366–386.

Johnson, G. D., Thomas, K. D., & Grier, S. A. (2017). When the burger becomes halal: a critical discourse analysis of privilege and marketplace inclusion, Consumption Markets & Culture, 0(0), 497-522.

Kelle, U. (2010). Análise com auxílio de computador: codificação e indexação. In: M. Bauer, & G. Gaskel (Eds.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. (pp. 393-415). 8ª ed. Petrópolis: Vozes.

Klikauer, T. (2015). Critical management studies and critical theory: a review. Capital & Class, 39(2), 197–220.

Leão, A. L. M. S., Mello, S. C. B., & Vieira, R. S. G. (2009). O papel da teoria no método de pesquisa em Administração. Organizações em Contexto, 5(10), 1-16.

Levy, S. J. (2015). Roots and Development of Consumer Culture Theory. Consumer Culture Theory, 17(1), 47-60.

Mikkonen, I., Moisander, J., & Firat, A. F. (2011). Cynical identity projects as consumer resistance: the Scrooge as a social critic? Consumption Markets & Culture, 14(1), 99-116.

Paiva Jr., F. G., Leão, A. L. M. S., & Mello, S. C. B. (2011). Validade e confiabilidade na pesquisa qualitativa em Administração. Revista de Ciências da Administração, 13(31), 190-209.

Peters, M. (2000). Pós-estruturalismo e filosofia da diferença. Belo Horizonte: Autêntica.

Weid, O. von der (2004). Perdoa-me por te trair: um estudo antropológico sobre a infidelidade feminina. Revista Habitus, 2(1), 49-59.

Williams, J. (2012). ‘Pós-estruturalismo’. Petrópolis: Vozes.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2018.v8i1.1839

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.