Estrutura Social e Empreendedorismo Religioso: uma associação teórica

Victor Silva Corrêa, Glaucia Maria Vasconcellos Vale

Resumo


Conquanto a temática sobre redes sociais tenha atraído, nas últimas décadas, crescente atenção da academia, uma de suas possíveis vertentes, a associada ao acoplamento e desacoplamento das estruturas relacionais, em particular, não tem, até o momento, recebido o impulso necessário por parte da academia. Este trabalho, de natureza essencialmente teórica, insere-se justamente neste contexto. Para isso, apropria das proposições de Granovetter sobre vinculação social de empreendedores étnicos, e associa-as às reflexões de Weber sobre atividades empresariais derivadas de motivações religiosas. Propõe, deste cotejo, abordagem teórica inédita aos conceitos de acoplamento e desacoplamento sociais. Ela pode ser considerada eventualmente capaz de ampliar a atual compreensão de certas dimensões relativas ao empreendedorismo religioso presente no país.


Texto completo:

PDF HTML

Referências


Almeida, R. (2006). A expansão pentecostal: circulação e flexibilidade. In: Teixeira, F., & Menezes, R. (Orgs.). As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes.

Baechler, J. (1995). Religião. In: Boundon, R. (Org.). Tratado de Sociologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bendix, R. (1986a). Max Weber, um perfil Intelectual. Brasília: Editora da UNB

Bohannan, P., & Dalton, G. (1968). Markets in Africa. Evanston: Northwestern University Press.

Camargo, C. P. F. (1973). Católicos, Protestantes, Espíritas. Petrópolis: Vozes.

Freund, J. (1983). Max Weber e a Ética Protestante e o Espírito de Capitalismo. O Estado de São Paulo, Caderno de Programas e Leituras.

Freund, J. (1987). Sociologia de Max Weber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Gracino, J. P. (2008). Dos interesses weberianos dos sociólogos da religião: um olhar perspectivo sobre as interpretações do pentecostalismo no Brasil. Horizonte, 6(12), 69-92.

Granovetter, M. (1973). The strength of weak ties. American Journal of Sociology, 78(6), 1360-1380.

Granovetter, M. (1983). The strength of weak ties: a network theory revisited. Sociological Theory, 1, 201-233.

Granovetter, M. (1985). Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, 91(3), 481-510.

Granovetter, M. (1988). The Sociological and Economic Approaches to Labor Market Analysis: a social structural view. In: Farkas, G., & England, P. Industries, firms, and jobs: sociological and economic approaches. Plenum Press: New York.

Granovetter, M. (1992a). Economic Institutions as Social Constructions: a framework for analysis, Acta Sociologica, 35(1), 3-11.

Granovetter, M. (1992b). Problems of Explanation in Economic Sociology. In Nitin Nohria, Robert G. Eccles. Networks and organizations: structure, form, and action. Harvard Business School Press.

Granovetter, M. (2009). The Economic Sociology of Firms and Entrepreneurs. In Swedberg, R. Entrepreneurship: the social science view. Oxford University Press: New York.

Hervieu-Léger, D. (2008). O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Petrópolis: Vozes.

Hirschman, A. (1958). The Strategy of Economic Development. Connecticut: Yale.

Ignacio, P. (2011). Rejeições religiosas do Mundo e suas Direções: Uma compreensão da Sociologia da Religião e do Racionalismo sob o ponto de vista Weberiano. Disponível em: http://www.consciencia.org/max-weber-e-as-rejeicoes-religiosas-do-mundo-e-suas-direcoes

Isaia, A. C. (2009). O campo religioso brasileiro e suas transformações históricas. Revista Brasileira de História das Religiões, (3), 95-105.

Kalberg, S. (2010). Max Weber: uma introdução. Rio de Janeiro: Zahar

Mariano, R. (2003). Efeitos da secularização do Estado, do pluralismo e do mercado religiosos sobre as igrejas pentecostais. Civitas – Revista de Ciências Sociais, 3(1), 111-125.

Mariano R. (2008). Usos e limites da teoria da escolha racional da religião. Tempo Social, revista de sociologia da USP, 20(2), 41-66.

Mariano, R. (2013). Antônio Flávio Pierucci: sociólogo materialista da religião. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28(81), 7-16.

Martes, A., & Rodrigues, C. (2004). Afiliação religiosa e Empreendedorismo Étnico: o caso dos brasileiros nos Estados unidos. RAC, 8(3), 117-140.

Oliveira, A. S., de. (2009). Desvendando a religião e as religiões mundiais em Max Weber. Horizonte, 7(14), 136-155.

Pacheco, E., Ribeiro da Silva, S., & Ribeiro, R. (2007). “Eu era do mundo”: tranformações do auto-conceito na conversão pentecostal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24(1), 53-62.

Passos, M., Zorzon, P., & Rocha, D. (2011). O que (não) dizem os números - para além das estatísticas sobre o “Novo Mapa das Religiões Brasileiro”. Horizonte, 9(23), 690-714.

Pierucci, A. (2000a). Apêndice: As religiões no Brasil. In: Gaarder, J., Hellern, V., & Notaker, H. O Livro das Religiões. São Paulo: Companhia das Letras.

Pierucci, A. F. (2000b). Secularização segundo Max Weber: da contemporânea serventia de voltarmos a acessar um velho sentido. In: Souza, J. (Org.). A atualidade de Max Weber. Brasília: Editora da UNB.

Pierucci, A. F. (2004a). “Bye bye, Brasil” - o declínio das religiões tradicionais no Censo 2000. Estudos Avançados, 18(52), 17-28.

Pierucci, A. F. (2004b). Secularização e declínio do catolicismo. In: Souza, B., & Martinho, L. (Orgs.). Sociologia da religião e mudança social: católicos, protestantes e novos movimentos religiosos no Brasil. São Paulo: Paulus.

Pierucci, A. F. (2005). O retrovisor polonês. Folha de São Paulo, Caderno “Mais”. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs1004200504.htm

Pierucci, A. F. (2006a). Ciências sociais e religião - A religião como ruptura. In: Teixeira, F., & Menezes, R. (Orgs.). As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes

Pierucci, A. (2006b). Religião como solvente - uma aula. Novos Estudos – CEBRAP, 75, 111-127.

Pierucci, A. F. (2011). Religiões no Brasil. In: Botelho, A. & Schwarcz, L. (Orgs.). Agenda Brasileira: temas de uma sociedade em mudança. São Paulo: Companhia das Letras.

Pierucci, A. F., & Prandi, R. (1987). Assim como não era no princípio. Religião e ruptura na obra de Procópio Camargo. Novos Estudos – CEBRAP, (17), 29-35.

Pierucci, A. F., & Prandi, R. (1996). A realidade social das religiões no Brasil. São Paulo: Hucitec.

Prandi, R. (1996). Religião Paga, Conversão e Serviço. Novos Estudos – CEBRAP, (45), 65-77.

Prandi, R. (1999). Religião não é mais herança, mas opção. Folha de São Paulo, Caderno Especial. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/especial/fe/fe06.htm

Prandi, R. (2008). Converter indivíduos, mudar culturas. Tempo Social, revista de sociologia da USP, 20(2), 155-172.

Rabuske, I. J., Santos, P., Gonçalves, H., & Traub, L. (2012). Evangélicos brasileiros: quem são, de onde vieram e no que acreditam? Revista Brasileira de História das Religiões, 4(12), 255-267.

Schluchter, W. (1999). A origem do modo de vida burguês. In: Souza, J. O Malandro e o Protestante: a tese weberiana e a singularidade cultural brasileira. Brasília: Editora da UNB

Sell, C. (2004). Sociologia clássica: Durkheim, Weber e Marx. Itajaí: Univali.

Serafim, M. C., Martes, A., & Rodriguez, C. (2012). “Segurando na mão de Deus”: organizações religiosas e apoio ao empreendedorismo. RAE, 52(2), 217-231.

Teixeira, F. (2008). Apresentação. In: Hervieu-Léger, D. O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Petrópolis: Vozes.

Vale, G., & Guimaraes, L. (2010). Redes sociais na criação e mortalidade de empresas. RAE- Eletrônica, 50(3).

Weber, M. (1964a). Ensaios de Sociologia (Cap. 13, pp. 371-412). Rio de Janeiro: Zahar.

Weber, M. (1964b). Textos Selecionados. São Paulo: Abril Cultural.

Weber, M. (1996). A Ética Protestante e o espírito do capitalismo. 11.ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora.

White, H. (1992). Identity and Control: A Structural Theory of Social Action. Princeton, N.J.: Princeton University Press.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2017.v7i2.1684

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.