Participação dos Associados: Um Pilar Estratégico de Governança do Cooperativismo

Marcelino Pedrinho Pies, Daniel Knebel Baggio, Maria do Carmo Romeiro

Resumo


O presente trabalho buscou discutir aspectos relacionados aos mecanismos de governança instituídos nas cooperativas que possibilitam aos associados à participação nas definições estratégicas e no monitoramento dos resultados. A pesquisa realizada foi de caráter exploratório, de natureza qualitativa, tendo como estratégia de investigação o estudo de caso. Os dados foram coletados envolvendo a triangulação a partir das seguintes fontes: análise documental, entrevistas com conselheiros e observação. Os resultados evidenciam que a obtenção de um nível satisfatório de participação dos associados nos espaços de governança está sustentado no princípio da gestão democrática, construído a partir de metodologia de organização comunitária e espacial em microrregiões, a qual agrega-se aos demais espaços de governança. Esse processo participativo permite uma interação mais efetiva dos associados com a cooperativa, reforçando-se os mecanismos de direção e controle democrático. A pesquisa trouxe subsídios para a discussão da importância da participação dos associados na formulação de políticas e na tomada de decisões e evidenciou que os arranjos institucionais de governança incidem diretamente na amplitude da participação dos cooperados na gestão estratégica da cooperativa.

Palavras-chave


Associados; Cooperativa; Governança; Participação.

Texto completo:

PDF

Referências


Aliança Cooperativa Internacional (1995). Cooperativa, identidade, valores e princípios. Disponível em: Acesso em setembro de 2016.

Araújo, Z. A. S., Siqueira, E. S., Binotto, E., & Simioni, F. J. (2007). A complementaridade entre governança corporativa e cooperativismo: os deslocamentos entre a dimensão estratégica e a cotidiana. Anais do Encontro da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração (EnANPAD), 31, Rio de Janeiro – RJ.

Bialoskorski N. S. (2007). Um ensaio sobre desempenho econômico e participação em cooperativas agropecuárias. RER – Revista de Economia e Sociologia Rural, Rio de Janeiro, 45(01), 119-138.

Brasil (1971). Lei 5.764, de 16 de dezembro de 1971. Brasília. Disponível em: Acesso em: setembro de 2016.

Buttenbender, P. L., Rotta, E., & Hofler, C. E. (2010). O cooperativismo inserido na evolução e no desenvolvimento da região Fronteira Noroeste. In. Buttenbender, P. L. (Org.). Cooperativismo na Região Noroeste do Rio Grande do Sul: experiências de gestão cooperativa e de promoção do desenvolvimento. Porto Alegre - RS: Sescoop.

Cervo, A. L., Bervian, P. A., & Silva, R. (2007). Metodologia Científica. (6a ed.). São Paulo: Prentice Hall.

Conto, M. (2014). Aspectos jurídicos da governança corporativa em sociedades cooperativas. In. Reflexão Cooperativista. Porto Alegre – RS: ESCOOP.

Costa, D. R. M., Chaddad, F. R., & Azevedo, P. F. (2012). Separação entre propriedade e decisão de gestão nas cooperativas agropecuárias brasileiras. Revista de Economia e Sociologia Rural – SESR, Piracicaba, 50(2), 285-300.

Fontes Filho, J. R., Marucci, J. C., & Oliveira, M. J. (2008). Governança cooperativa: participação e representatividade em cooperativas de crédito no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações. São Paulo, 2(4), 107 - 125.

Fontes Filho, J. R., Ventura, E. C. F., & Oliveira, M. J. (2008). Governança e participação no contexto das cooperativas de crédito. FACES Revista de Administração, Belo Horizonte. 7(3), 48-63.

Freitas, A. F., Freitas, A. F., Sampaio, D. O., & Máximo, M. S. (2010). Organização do quadro social (OQS): uma inovação institucional na gestão social de cooperativas. Revista de Administração Pública e Gestão Social (APGS), Viçosa, 2(1), 45-66.

Gil, A. C. (2008) Métodos e técnicas de pesquisa social. (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro De Governança Corporativa. (2015a) Código das melhores práticas de governança corporativa. (5a ed.) São Paulo: IBGC.

Instituto Brasileiro De Governança Corporativa. (2015b). Guia das melhores práticas de governança para cooperativas. São Paulo, SP: IBGC.

Jensen, M. C., & Meckling, W. (1976) Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

La Porta, R. Lopez-De-Silanes, F., Shleifer, A., & Vishny, R. (2000). Investor protection and corporate governance. Journal of Financial Economics, 58, 3-27.

Lameira, V. J., & Ness Júnior, W. L. (2011). Os determinantes da qualidade da governança praticada pelas companhias abertas brasileiras. Revista de Negócios, Blumenau, 16(3), 33–52.

Lameira, V. J., Ness Júnior, W. L., Silva, P., Motta, L. F., & Klötzle, M. C. (2010). Governança, risco e desempenho das companhias abertas brasileiras. Revista de Economia e Administração, 9(1), 17-76.

Macedo, A. S. Souza, D. N., & Amodeo, N. B . P. (2014). A organização do quadro social na interface entre gestão empresarial e social de cooperativas. Revista Desenvolvimento em Questão, Ijuí, 26, 177-205.

Machado Filho, A. P., Marino, M. K., & Conejero, M. A. (2004). Gestão estratégica em cooperativas agroindustriais. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, 11(2), 61-69.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2010) Fundamentos de metodologia científica. (7a ed.) São Paulo: Atlas.

Oliveira, D. P. R. (2012). Manual de gestão das cooperativas: Uma abordagem prática. (6a ed). São Paulo: Atlas.

Passaglia, L. F., & ROCHA-PINTO, S. R. (2014). Governança de participação societária: Fatores críticos para a redução do conflito de agência entre holding e controladas. Revista de negócios. 19(1), 3-26.

Prado, J. A. (2002) Creral – Uma experiência de cooperativa na eletrificação rural e a nova legislação para as cooperativas. Anais do AGRENER 2002 - 4o Encontro de Energia no Meio Rural. Unicamp.

Rebouças, D. P. O. (2012) Manual de gestão das cooperativas: Uma abordagem prática. (6a ed.) São Paulo: Atlas.

Rossetti, J. P., & Andrade, A. (2011). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências, (5a ed.) São Paulo: Atlas.

Schmidt, D., & Perius, V. (2003) Cooperativismo e Cooperativa. In. Cattani, A. D. A outra economia. Porto Alegre-RS: Veraz.

Schneider, J. O. (2012) A doutrina do cooperativismo: análise do alcance, do sentido e da atualidade dos seus valores, princípios e normas nos tempos atuais. Cadernos de Gestão social, Salvador, 3(2), 215-273.

Schneider, J. O., Hendges, M., & Silva, A. C. M. (2010). Educação e capacitação cooperativa: os desafios no seu desempenho. São Leopoldo – RS: UNISINOS.

Shleifer, A., & Vishny, R. (1987). A survey of corporate governance. Journal of Finance, 52(2), 737-783.

Silva, E. C. Da. (2010). Governança Corporativa nas empresas: guia prático de orientação para acionistas, investidores, conselheiros de administração, executivos, gestores analistas de mercado e pesquisadores. (2a ed.) São Paulo: Atlas.

Soares, M. M., & Ventura, E. C. F. (2008). Governança cooperativa: as funções estratégicas e executivas em cooperativas de crédito no Brasil. Anais do Encontro de Pesquisadores Latino-americanos de Cooperativismo. Ribeirão Preto, São Paulo.

Trindade, L. Z., & Bialoskorski N. S. (2012). Uma análise da separação entre a propriedade e a gestão nas cooperativas de crédito brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações. 6(16), 95-1.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v6n2p221-236

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.