A Influência das Evidências Físicas nas Intenções de Lealdade do Público Masculino

Caroline Zonta Minozzo, Mellina da Silva Terres

Resumo


O presente estudo se propõem a compreender a influência das evidências físicas na intenção de lealdade do público masculino no varejo de vestuário. A marca Zara fora escolhida como objeto de estudo, visto que não trabalha com publicidade convencional, ou seja, a comunicação da empresa com o seu consumidor se dá exclusivamente atráves do ponto de venda. Por este motivo, existe uma preocupação muito grande com a exposição de produtos e ambientação da loja. Ligado a isso, optou-se pela abordagem da teoria das evidências físicas, composta por três dimensões, sendo elas ambientais, sociais e de design, e sua relação com as intenções de recompra e boca-a-boca positivo do público consumidor masculino. Os achados evidenciaram que a percepção das evidências físicas pelo público masculino no ponto de venda influencia diretamente nas intenções de lealdade do consumidor, e, portanto,são essenciais para definir o comportamento de compra futuro deste público no ponto de venda.


Palavras-chave


Evidências Físicas. Intenções de Lealdade. Varejo. Público Masculino.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Anderson, D. R., Sweeney, D. J., & Williams, T. A. (2013). Estatística aplicada à administração e economia. São Paulo, Cengage Learning.

Baker, J., Parasuraman, A., Grewal, D., & Voss, G. B. (2002). The influence of multiple store environment cues on perceived merchandise value and patronage intentions. Journal of marketing, 66(2), 120-141.

Bitner, M. J. (1990). Evaluating service encounters: the effects of physical surroundings and employee responses. The Journal of Marketing, 69-82.

Bitner, M. J. (1992). Servicescapes: The impact of physical surroundings on customers and employees. The Journal of Marketing, 57-71.

Blessa, R. (2008). Merchandising no ponto-de-venda. Atlas.

Boas, E.V. (2010). O segredo da Zara. Recuperado em 12, Junho, 2015 de http://www.mmdamoda.com.br/2010/10/o-segredo-da-zara.html

Booms, B. H., & Bitner, M. J. (1982). Marketing services by managing the environment. Cornell Hotel and Restaurant Administration Quarterly, 23(1), 35-40.

Brown, J.J. and Reingen, P.H. (1987). Social ties and word-of-mouth referral behaviour. Journal of Consumer Research, Vol. 14 No. 3, pp. 350-362.

Butcher, K., Sparks, B., & O’Callaghan, F. (2001). Evaluative and relational influences on service loyalty. International Journal of Service Industry Management, 12(4), 310-327.

Dick A., Basu, K. (1994). Customer Loyalty: towards an integrated framework. Journal of the academy of Marketing Science, 99-113.

Flick, U. (2008). Introdução à Pesquisa Qualitativa. Artmed Editora.

Gardner, M. P., & Siomkos, G. J. (1986). Toward a methodology for assessing effects of in-store atmospherics. NA-Advances in Consumer Research,13.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, 5.

Gobé, M. (2002). A emoção das marcas: conectando marcas às pessoas. Rio de Janeiro: Campus.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rae/v35n2/a08v35n2.pdf

Gonçalves, C. A., Jamil, G. L., & Tavares, W. R. (2002). Marketing de Relacionamento: DataBase Marketing: uma estratégia para adaptação em mercados competitivos. Axcel Books.

Grewal, D., Baker, J. (1994). Do retail store environmental factors affect consumers’ price acceptability?An empirical examination. International Journal of Research in Marketing, 11(2), 107-115.

Hock, R. R. (2015). Human sexuality. Pearson.

Jacoby, J.; Chestnut, R. W. (1978). Brand loyalty measurement and management. John Wiley and Sons.Jones, T. O. (1996). Why satisfied customers defect. Journal of management in engineering, 12(6).

Lindstrom, M. (2009). A lógica do consumo: verdades e mentiras sobre por que compramos. Fronteira.

Lopes, E. L., Teixeira, J. M., & do Amaral Moretti, S. L. (2012). Valor de compra hedônico ou utilitário e sua influência no varejo: resultados de um survey no setor de construção civil. Organizações & Sociedade, 19(60).

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing. Porto Alegre: Bookman.

Morgan, R. M.; Hunt, S. D. (1994). The commitment-trust theory of relationship marketing. The journal of marketing, 58. 20-38.

Mowen, J. C., & Minor, M. S. (2003). Comportamento do consumidor. Prentice-hall.

Olsen, S. O. (2007). Repurchase loyalty: The role of involvement and satisfaction. Psychology & Marketing, 24(4), 315-341.

Parente, J. (2000). Varejo no Brasil: Gestão e Estratégia. Porto Alegre:Atlas.

Puccinelli, N. M., Goodstein, R. C., Grewal, D., Price, R., Raghubir, P., & Stewart, D. (2009). Customer experience management in retailing: understanding the buying process. Journal of retailing, 85(1), 15-30.

Ribeiro, L. P. F. D. C. (2011). O Branding no Séc. XXI: Um apelo aos sentidos.

Rosengren, S., & Söderlund, M. (2006). To intend or to expect? A critical assessment of word-of-mouth “intentions” in satisfaction research. Athens University of Economics and Business, Greece, 23.

Shostack, G.L. (1977), “Breaking free from product marketing”, Journal of Marketing, Vol. 41 No. 2, pp. 73-80.

Sirdeshmukh, D., Singh, J., & Sabol, B. (2002). Consumer trust, value, and loyalty in relational exchanges. Journal of marketing, 66(1), 15-37.

Söderlund, M. (2006). Measuring customer loyalty with multi-item scales: A case for caution. International Journal of Service Industry Management, 17(1), 76-98.

Sweeney, B., & Pierce, B. (2004). Management control in audit firms: A qualitative examination. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 17(5), 779-812.

Tax, S.S., Chandrashekaran, M., and Christiansen, T. (1993). Word-of-mouth in consumer decision-making: An agenda for research. Journal of Consumer Satisfaction, Dissatisfaction and Complaining Behavior, Vol. 6 No. 10, pp. 74-80.

Valério, A. (2015). 70% das decisões de compra são no PDV. Recuperado em 10, Julho, 2015 de http://propmark.com.br/mercado/70-das-decisoes-de-compra-acontecem-no-pdv

Vilela, V. (2015). O poder do varejo na geração do PIB brasileiro. Recuperado em 15, Junho, 2015 de http://www.ecommercebrasil.com.br/eblog/2015/02/20/o-poder-varejo-brasileiro-na-visao-flavio-rocha/

Westbrook, R. A. (1987). Product/consumption-based affective responses and postpurchase processes. Journal of marketing research, 258-270.

Yalch, R., & Spangenberg, E. (1990). Effects of store music on shopping behavior. Journal of Consumer Marketing, 7(2), 55-63.

Zeithaml, V. A., Bitner, M. J., & Gremler, D. D. (2014). Marketing de Serviços: A Empresa com Foco no Cliente. AMGH Editora.

Zeithaml, V. A., Berry, L. L., & Parasuraman, A. (1996). The behavioral consequences of service quality. The Journal of Marketing, 31-46.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v7n1p313-335

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.