Gestão Ambiental e Viabilidade para Obtenção de Certificação Ambiental

Simone Zuconelli Silva, Franciane Bortoluzzi, Geysler Rogis Flor Bertolini

Resumo


O objetivo foi diagnosticar a gestão ambiental e verificar a viabilidade para obtenção de certificação ambiental em uma oficina de refrigeração automotiva. Foi utilizada a abordagem qualitativa para o diagnóstico, e quantitativa que identificou a valorização e disposição a pagar dos potenciais clientes por produtos/ serviços certificados ambientalmente. Com a projeção de receitas foi calculada a viabilidade do investimento na certificação utilizando parcialmente o modelo Bertolini, Rojo e Lezana (2012). O estudo foi classificado como descritivo e exploratório. A empresa possui práticas de gestão ambiental, mas serão necessárias adequações para obtenção da certificação, orçou o investimento, identificou que mais de 50% dos potenciais clientes valorizam serviços/empresas com selo verde e que 90% destes, estão dispostos a pagar a mais por estes serviços o valor de dez reais, há viabilidade no investimento, com retorno aproximado de dois reais e trinta e oito centavos para cada real investido, considerando o prazo de vinte e quatro meses de validade da certificação.

Palavras-chave


Gestão Ambiental; Certificação; Selo Verde; Viabilidade de Projetos; Oficina de Refrigeração Automotiva

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Afonso, T., Zanon, M. A. G., Locatelli, R. L., & Afonso, B. P. D. (2016). Consciência ambiental, comportamento pró-ambiental e qualidade de gerenciamento de resíduos em serviços de saúde. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 5(3), 106-119.

Aguiar, A. O., & Côrtes, P. L. (2014). Conflitos de transparência e confidencialidade na certificação de sistemas de gestão ambiental. REAd, 77(1), p. 31-63.

Aguiar, H. S., Mello, A. M., & Nascimento, P. T. S. (2015). Certificação de sistema de gestão ambiental: alternativas possíveis. Revista Gestão Organizacional, 8(1), 51-68.

Aligleri, L., Aligleri, L. A., & Kruglianskas, I. (2016). Cradle to Cradle: uma análise dos produtos certificados para limpeza geral e lavagem de roupa. Revista Gestão.Org, 14(Edição Especial), p. 88-96.

Associação Brasileira De Normas Técnicas. (2004). NBR ISO 10004: resíduos sólidos – Classificação. Rio de Janeiro.

Associação Brasileira De Normas Técnicas. (2004). NBR ISO 14001: sistemas da gestão ambiental – Requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro.

Abrava. Associação Brasileira de Refrigeração, Ar condicionado, Ventilação e Aquecimento. Recuperado em 20 setembro, 2015, de http://www.abrava.com.br/

Alves, R. R. (2010). Marketing, estratégia competitiva e viabilidade econômica para produtos com certificação de cadeia de custodia na indústria moveleira. Tese de doutorado – Programa de Pós-Graduação em Ciência Florestal, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Brasil.

Backer, P. (1995). Gestão ambiental: a administração verde. Rio de Janeiro: Ed. Qualitymark.

Barbieri, J. C. (2011). Gestão Ambiental Empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 3 ed. São Paulo: Saraiva.

Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G., Andreassi, T., & Vasconcelos, F. C. (2010). Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas, 50(2), 146-154.

Bernardi, L. P., & Pires, P. S. (2015). O programa bandeira azul de certificação para praias na percepção dos gestores nacionais dos países participantes. Revista Turismo – Visão e Ação, 17(3), 542-568.

Bernardo, E., & Ramos, H. R. (2016). Sistema de gestão integrada de resíduos sólidos urbanos na Cidade Ocidental (GO). Future Studies Research Journal, 8(1), 225-241.

Bertolini, G. R. F., Rojo, C. A., & Lezana, A. G. R. (2012). Modelo de análise de investimentos para fabricação de produtos ecologicamente corretos. Revista Gestão e Produção. São Paulo, 19(3), 575-588.

Bortoluzzi, F., Bonemberger, S. Z., Bertolini, G. R. F., & Johann, J. A. (2016). Certificação ambiental: a percepção e o perfil dos clientes de uma oficina de refrigeração automotiva. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, 7(2).

Brasil. Lei n. 12.305, de 2 de Agosto de 2010. Dispõe sobre a política nacional de resíduos sólidos. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Casa Civil.

Brisolara, L. S., Silva, V. C., & Cardoso, N. S. (2016). Quais são os principais motivos para obter a certificação NBR ISSO 14001? Um estudo com empresas do estado do Rio Grande do Sul. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 5(2), 64-75.

Lucena, K. F. M. De, & Melquíades, T. F. (2012, outubro). O comportamento ambiental de empresas do ramo de oficina mecânica: um estudo de caso em João Pessoa – PB. Anais do Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação – CONNEPI, Institutos Federais do Norte e Nordeste, Palmas, Tocantins, Brasil, 7.

Costa Neto, P. L. de O. (2002). Estatística. São Paulo: Blucher.

Donaire, D. (1994). Considerações sobre a influência da variável ambiental na empresa. Revista de Administração de Empresas, 34(2), 68-77.

Donato, E. L., Vieira, V. B. H. A., Johann, J. A., & Bertolini, G. R. F. (2016). A responsabilidade ambiental como vantagem competitiva em uma oficina de reparação de veículos. Organizações em contexto, 12(24), 131-163.

Dracoce, N. P. D., Fujihara, H. M. L., & Bertolini, G. R. F. (2016). Resíduos de oficina mecânica: proposta de gerenciamento de resíduos sólidos – LP Radiadores e Baterias LTDA. Revista da Micro e Pequena Empresa, Campo Limpo Paulista, 10(2), 97-113.

Fabi, M. J. Da S., Lourenço, C. D. Da S., & Silva, S. S. da S. (2010, maio). Consumo consciente: a atitude do cliente perante o comportamento socioambiental empresarial. Anais do Encontro de Marketing da Anpad, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, 4.

Endo, G. Y., Carvalho, L. De, Johann, J. A., & Bertolini, G. R. F. (2016). Identificação do perfil de potenciais clientes de serviços ambientalmente corretos de uma oficina mecânica. Remark – Revista Brasileira de Marketing, 15(3), 329-339.

Ferreira, M. C. (2012). Gestão ambiental: práticas, condicionantes e evolução. Revista de Administração IMED, 2 (2), 138-150.

Forlin, T., & Bertolini, G. R. F. (2016). Projeto de intervenção: política ambiental para uma indústria de isopor. Revista Capital Científico, 14(1).

Gerhardt, A. E., Drumm, F. C., Grassi, P., Flores, B. A., Passini, A. C. F., Borba, W. F. De., & Kemerich, P. D. da C. (2014). Diagnóstico para o gerenciamento dos resíduos sólidos em oficina mecânica: estudo de caso em concessionária do município de Frederico Westphalen – RS. Revista Monografias Ambientais – REMOA, 13(1, Ed. Especial), 2899-2908. Recuperado em 12 maio, 2015, de http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/remoa/article/view/10933.

Gunther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Revista Psicologia Teoria e Pesquisa. Brasília, 22(2), 201-210.

Gupta, M. C. (1994). Environmental management and its impact on the operations function. International Journal of Operations & Production Management, 15(8), 34-51.

IQA. Instituto de qualidade automotiva. (2015a). Recuperado em 25 maio, 2015, de http://www.iqa.org.br/publico/noticia.php?codigo=1723.

IQA. Instituto de Qualidade Automotiva. Certificação Ambiental: premissas de avaliação. (2015b) . Recuperado em 21 maio, 2015.

Jabbour, A. B. L. S., Stefanelli, N. O., & Teixeira, A. A. (2012). Gestão ambiental e estrutura organizacional: estudo de múltiplos casos. REGE, 19(3), 359-372.

Jeronimo, C. H. M. Diagnóstico de gestão ambiental em microempresas e empresas de pequeno porte da cidade de Manaus-AM. RAUnP, v. 6, n. 1, out./mar. 2014.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Tradução: Laura Bocco. 4 ed. Porto Alegre: Bookman.

Mangueira, F. O. (2014). Os efeitos da gestão ambiental no desempenho organizacional de oficinas de reparação automotiva no município de São Paulo: um estudo exploratório. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Gestão Ambiental e Sustentabilidade, Universidade Nove de Julho, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Ministério Do Meio Ambiente. (2014). Plano de gerenciamento de resíduos sólidos. Brasília: Almeida. A. C..

Motta, S. L. S., & Mattar, F. N. (2011). Atitude em relação a atributos ecológicos de produtos como base de segmentação de mercado consumidor. Revista de Administração, 46(1), 32-44.

Nahuz, M. A. R. (1995). O sistema ISO 14000 e a certificação ambiental. Revista de Administração de Empresas, 35(6), 55-66.

Orellano, V. I. F., & Quiota, S. (2011). Análise do retorno dos investimentos socioambientais das empresas brasileiras. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, 51(5), 471-484.

Porter, M. E. (1989). A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2009). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Resolução n. 362, de 23 de junho de 2005. Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Recuperado em 25 maio 2015, de http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=466.

Ribeiro, J. A., & Veiga, R. T. (2011). Proposição de uma escala de consumo sustentável. Revista de Administração, 46(1), 45-60.

Santos, L. A. dos, Marzall, L. F., Gonçalves, D. L., & Godoy, L. P. (2016). Análise das práticas sustentáveis no ramo varejista: uma percepção dos colaboradores com ênfase na educação ambiental. REUNIR: Rev. de Adm., Contabilidade e Sustentabilidade, 6(1), 56-73.

Santos, M. R. dos., Souza, M. T. S. de, & Teixeira, C. E. (2013). Avaliação do ciclo de vida: análise da produção acadêmica em eventos brasileiros qualis administração no período 2000-2010. REUNA, 18(3), 75-90.

Scherer, L. F., Gomes, C. M., Madruga, L. R. G., & Crespam, C. C. (2009). Estratégia e práticas de gestão socioambiental: o caso das empresas brasileiras exportadoras do setor de calçados. Revista de Administração FACES Journal Belo Horizonte, 8(4), 116-136.

Seramim, R. J., Zanella, T. P., Araujo, M. P., & Bertolini, G. R. F. (2016). Análise de investimentos em ações ambientais em oficina mecânica. REUNIR: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 6(1), 97-108.

Silveira, E. S. B., Pereira, M. F., Costa, A. M., Moritz, G. O., & Dalmau, M. (2010). Comportamento estratégico à luz da gestão ambiental. Revista de Administração FACES Journal Belo Horizonte, 9(2), 119-133.

Souza, M. T. S., & Ribeiro, H. C. M. (2013). Sustentabilidade ambiental: uma meta-análise da produção brasileira em periódicos de administração. Revista de Administração Contemporânea, 17(3), 368-396.

Tripoli, A. C. K., & Prates, R. C. (2015). Certificação ambiental e internacionalização: uma análise do setor madeireiro brasileiro. Desenvolvimento em Questão, 13(31), 322-355.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução: Daniel Grassi. 2 ed. Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v7n1p3-29

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.