Análise Comparativa dos Fatores de Inovação entre os Setores Metal-Mecânico e Têxtil

Valquíria Marchezan Colatto Martins, Rogério Samuel de Moura Martins, Dieter Rugard Siedenberg, Marcos Paulo Dhein Griebeler

Resumo


Diante de um cenário altamente competitivo, em que as organizações precisam criar vantagens para garantir sua permanência no mercado, a inovação torna-se fundamental para que se possa criar produtos e serviços diferenciados. Esta pesquisa teve como objetivo “analisar as principais diferenças na gestão da inovação em micro e pequenas empresas dos setores metal-mecânico e do têxtil”. A investigação pode ser classificada como metodológica, aplicada, de campo e documental/bibliográfica. Participaram da pesquisa 29 indústrias de pequeno porte da região noroeste do Rio Grande do Sul, sendo 15 delas atuantes no setor metal-mecânico e as outras 14 atuantes no setor Têxtil. Com o estudo percebeu-se que o setor metal-mecânico apresentou maior percentual de empresas que inovaram para o mercado, enquanto que as empresas do setor têxtil buscaram lançar produtos considerados uma imitação da concorrência, pois são produtos que quando foram lançados já existiam na concorrência. O setor metal-mecânico apresentou maior preocupação em valorizar seu capital humano, visto que mais da metade das indústrias deste setor disponibilizam algum tipo de capacitação aos funcionários, além de apresentar maior preocupação com ativos intangíveis. A tomada de decisão indicou o envolvimento dos funcionários na maioria das empresas de ambos os setores analisados. Em relação as fontes de apoio externas as atividades de inovação, a fonte de apoio financeiro que teria sido mais utilizada em ambos os setores foi Fundos próprios, seguido de Instituições financeiras. E a fonte de apoio gerencial mais utilizada pelo setor Metal-mecânico foi a Universidade e para o têxtil o SEBRAE.


Palavras-chave


Gestão da Inovação; Metal-mecânico; Têxtil

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Amorim, M. A. (1998). Clusters como estratégia de desenvolvimento industrial no Ceará. Fortaleza: Banco do Nordeste.

Andrade, R. O. B. de, & Amboni, N. (2010). Estratégias de gestão: processos e funções do administrador. Rio de Janeiro: Elsevier.

Antoncic, B., & Hisrich, R. D. (2001). Intrapreneurship: construct refinement and cross-cultural validation. Journal of Business Venturing, 16, 495-527.

Araújo, B. C. (2012). Políticas de apoio à inovação no Brasil: uma análise de sua evolução recente. Texto para discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: Rio de Janeiro: Ipea.

Barañano, A. M. (2005). Gestão da inovação tecnológica: estudo de cinco PMEs portuguesas. Revista Brasileira de Inovação, 4(1), 57-96.

Bastos, V. D. (2012, junho). 2000-2010: uma década de apoio federal à inovação no Brasil. Revista do BNDES, 37. Disponível em: http://www.creativante.com.br/download/apoioinovacao.pdf

Bido, D. De S., & Araujo, B. F. V. B. (2011). Comparação de três escalas para a mensuração da aprendizagem organizacional. In XXXV Encontro da ANPAD, EnANPAD 2011, Rio de Janeiro, RJ: ANPAD.

Brasil. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Lei de inovação. (2004). Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo. Brasília, 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm. Acesso em: 30 de junho 2014.

Buainain, A. M., & Carvalho, S. M. P. de. (2000). Propriedade intelectual em um mundo globalizado. Revista Parcerias Estratégicas, 5(9).

Buarque, S. C. (1999). Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal Sustentável. Projeto de Cooperação Técnica INCRA/IICA PCT – INCRA/IICA, Brasília.

Carvalho, H. G. de, Reis, D. R. dos, & Cavalcante, M. B. (2011). Gestão da inovação. Curitiba: Aymará. (Série UTFinova).

Denizot, A. E. R. (2012). As pequenas empresas de tecnologia da informação e comunicação do estado do rio de janeiro à luz do radar da inovação: identificação e análise dos principais obstáculos para os processos de inovação. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, 9(3), 394-405.

Diniz, C. C., & Lemos, M. B. (2005). Economia e território. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Dornelas, J. C. A. (2001). Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Campus.

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS - Curso de Graduação Tecnológica - Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Freire, A. (2002). Inovação: novos produtos, serviços e negócios para Portugal. Lisboa: Verbo.

INPI. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Guia básico – Patentes. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/portal/artigo/guia_basico_patentes.

INPI. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Guia básico de Marcas e Manual do Usuário Sistema e-Marcas. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/portal/artigo/guia_basico_de_marcas_e_manual_do_usuario_sistema_emarcas.

Kuhn, I. N. (2014). Programa extensão empresarial: elo entre ensino e pesquisa como vetor de desenvolvimento regional no Noroeste colonial do RS. In: GRIEBELER, Marcos Paulo Dhein (Org.). Projeto Extensão Produtiva e Inovação (PEPI): um ano de atuação na região noroeste colonial do Rio Grande do Sul – relatos e perspectivas. Porto Alegre: Conceito.

Machado, D. D. P. N. (2008). Organizações inovadoras: estudo dos principais fatores que compõem um ambiente inovador. Revista Alcance, 15(3), 306 - 321, set/dez.

Martinelli, D. P., & Joyal, A. (2004). Desenvolvimento local e o papel das pequenas e médias empresas. Barueri: Manole.

Martins, V. M. C., Siedenberg, D. R., & Griebeler, M. P. D. (2014). Fontes de apoio financeiro e gerencial às atividades de inovação em pequenas indústrias do setor metal-mecânico. Revista de Administração [FW], 12(21), 93-110. Disponível em: http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistadeadm/article/view/1381

Neri, M. (2000). Políticas estruturais de combate à pobreza no Brasil. In: HENRIQUES, Ricardo (Coord.). Desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: Ipea.

OCDE. Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (2004). Manual de Oslo: Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. Tradução: Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP. 3. ed. [S.I.].

Pacagnella, Jr. A. C., & Porto, G. S. (2012). Análise dos fatores de influência na propensão à inovação da indústria paulista. Revista Brasileira de Inovação, 11(2), 333 - 364.

Porter, M. E. (1986). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. São Paulo: Campus.

Rizzoni, A. (1994). Technology and organisation in small firms: an interpretative framework. In: Revue D’Économie Industriell, n. 67.

Robbins, S. P., & Decenzo, D. A. (2004). Fundamentos de administração: conceitos essenciais e aplicações. 4ª ed. São Paulo: Prentice Hall.

Rogers, E., & Shoemaker, F. F. (1971). Communication of innovations: a cross cultural approach. New York: Free Press.

Rothwell, R. (1989). Small Firms, Innovation and Industrial Change. Small Business Economics, n. 1.

Rothwell, R., & Dodgson, M. (1993). Technology-based SMEs: their role in industrial and economic change. Buckinghamshire, UK: Inderscience Enterprises.

Scherer, F. (1991). Changing Perspectives on the Firm Size Problem. In: Zoltan J. ACS e David B. Audretsch (eds.), Innovation and Technological Change: An International Comparison, Ann Arbor: University of Michigan Press.

Schultz, T. W. (1973). O capital humano. Investimento em educação e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar.

Siedenberg, D. R. (2012). Fundamentos, trajetória e abordagens contemporâneas do desenvolvimento. In: SIEDENBERG, Dieter Rugard (Org.). Desenvolvimento Sob Múltiplos Olhares. Ijuí: Editora Unijuí. (Coleção gestão e desenvolvimento).

Tidd, J., & Bessant, J. (2015). Gestão da Inovação. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Tushmam M., & Nadler, D. (1997). Organizando-se para a inovação In: Starkey, Ken. Como as organizações aprendem: relatos do sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura.

Vilas Boas, A. A., & Andrade, R. O. B. (2009). Gestão estratégica de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2017.v7i2.1256

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.