Era uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada! As representações sociais do mercado municipal de Uberlândia

Marlos Rocha Freitas, Cintia Rodrigues Oliveira

Resumo


Esta pesquisa objetiva identificar a interpretação dos trabalhadores e comerciantes lojistas do Mercado Municipal de Uberlândia sobre as mudanças ocorridas após a reforma que o revitalizou em 2008, à luz da teoria das representações sociais. Utilizando o método etnográfico e a técnica de entrevistas semiestruturadas para coleta de dados, o trabalho de campo ocorreu entre maio e julho de 2015. Para fins de organização, as representações foram divididas e categorizadas em temáticas envolvendo (1) a estrutura física, (2) os frequentadores e (3) conceito (imagem e reputação). O presente estudo possibilitou constatar que o Mercado Municipal de Uberlândia está inserido em um ambiente complexo que congrega visões de mundo diferentes, mas que paradoxalmente se coadunam para construir um ambiente coletivo com representações comuns. O antagonismo entre o público e o privado, a tradição e a modernidade e aspectos comerciais e os de ordem afetiva foram identificados no Mercado Municipal de Uberlândia, assim como em Cavedon (2004). Como resultado, identificou-se a representação mais marcante e evidente como a de uma casa velha e abandonada que foi substituída por uma casa nova, confortável e aconchegante, cujas portas estão abertas para acolher os visitantes.


Palavras-chave


Representações Sociais, Etnografia, Mercado Municipal de Uberlândia

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Abric, J. C. (1993). Central system, peripheral system: their functions and roles in the dynamics of social representations. Papers on social representations, 2(2), 75-78.

Alves-Mazzotti, A. J. (2008). Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à Educação. Revista Múltiplas Leituras, 1(1), 18-43.

Carrieri, A. D. P., Murta, I. B. D., Teixeira, J. C., & De Souza, M. M. P. (2012). Estratégias e táticas empreendidas nas organizações familiares do Mercadão de Madureira (Rio de Janeiro). Revista de Administração Mackenzie, 13(2), 196-226.

Carrieri, A. D. P., Saraiva, L. A. S., Lima, G. C. O., & de Albuquerque, C. M. S. (2008). Estratégias subversivas de sobrevivência na “feira hippie” de Belo Horizonte. Gestão.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 6(2), 174-192.

Cavedon, N. R. (2004). “Pode chegar, freguês”: a cultura organizacional do mercado público de Porto Alegre. Organizações & Sociedade, 11(29), 173-189.

Cavedon, N. R., & Ferraz, D. L. D. S. (2005). Representações sociais e estratégia em pequenos comércios. RAE-eletrônica, 4 (1), 1-18.

Figueiredo, M. D., & Cavedon, N. R. (2012). O espaço dos indesejáveis: a circularidade da representação de estigma em um centro comercial de Porto Alegre. Civitas - Revista de Ciências Sociais, 12(3), 579-594.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Artmed.

Guerra, G. C. M., & Ichikawa, E. Y. (2011). A institucionalização de representações sociais: uma proposta de integração teórica. REGE Revista de Gestão, 18(3), 339-359.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2015. Recuperado em 11 Abril, 2016, de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2015/estimativa_dou.shtm

Jodelet, D. (1989). Les représentations sociales, Paris, PUF cap.: Représentation sociale: un domaine en expansion.

Jovchelovitch, S. (1998). Representações sociais: para uma fenomenologia dos saberes sociais. Psicologia e sociedade, 10(1), 54-68.

Mendes, L., & Cavedon, N. R. (2014). O mercado de camelôs e as contribuições ao desenvolvimento local de uma cidade. Interações ,15(2), 341-352.

Moscovici, S. (1978). A representação social da psicanálise. Trad. de Álvaro Cabral. Zahar.

Peirano, M. (1995). A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Pintaudi, S. M. (2006). OS MERCADOS PÚBLICOS: METAMORFOSES DE UM ESPAÇO NA HISTÓRIA URBANA. Cidades, 3(5), 81-100.

Reis, S. L. A., & Bellini, L. M. (2009). Representações sociais: teoria, procedimentos metodológicos e educação ambiental. Revista Teoria e Prática da Educação, 12(1), 133-144.

Saraiva, L. A. S., Carrieri, A. D. P., & Soares, A. D. S. (2014). Territorialidade e identidade nas organizações: o caso do Mercado Central de Belo Horizonte. RAM - Revista de Administração Mackenzie, 15(2), 97-126.

Sêga, R. A. (2000). O conceito de representação social nas obras de Denise Jodelet e Serge Moscovici. Revista Anos 90, 8(13), 128-133.

Silva, A. H., & Fossá, M. I. T. (2015). Análise de Conteúdo: Exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica, 17(1), 1-14.

Silva, A. R. L. D., Carrieri, A. D. P., & Souza, E. M. D. (2011). Social practices and strategizing: a study of produce merchants in the Vila Rubim market. BAR - Brazilian Administration Review, 8(1), 86-106.

Spink, M. J. P. (1993). O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cadernos de Saúde Pública, 9(3), 300-308.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v7n1p137-157

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.