A concepção de aprendizagem na perspectiva de universitários: um estudo na AIESEC de Curitiba/PR

Ariane Latoski, Cristiane Marques de Mello

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo compreender o processo de aprendizagem da perspectiva de indivíduos pertencentes à geração Y. A Teoria da Aprendizagem tem seu foco no processo de interação social, e tem sido utilizada em diferentes áreas do conhecimento, com as mais variadas abordagens analíticas. A aprendizagem pode ser entendida de diferentes formas pelas mais diferentes gerações. Para realização dessa pesquisa, os dados foram coletados por meio de entrevistas realizadas com jovens pertencentes à geração Y, vinculados a um Programa de Formação de Liderança da AIESEC (Association International des Etudiants en Sciences Economiques et Commerciales). Os critérios para seleção dos respondentes foram os seguintes: ser jovem universitário, estar cursando graduação em instituição pública ou particular de Curitiba, ter entre 18 a 30 anos, vinculado ao programa de liderança da AIESEC. Também foram analisados documentos, atas, revistas e estatutos da AIESEC que está localizada na cidade de Curitiba no Paraná. Os resultados apontam que o aprendizado da percepção da geração y está relacionado com: a transformação das informações, inovação, desafios, experiência, desenvolvimento de habilidades, absorção, divisão e desenvolvimento de conhecimentos e a interação. Acreditamos que a presente pesquisa possibilitou ampliar o poder explicativo da aprendizagem da perspectiva dos jovens pertencentes à nova geração, o que poderá contribuir para aprimoramento de práticas metodológicas disseminadas nas organizações de ensino. Os gestores da organização, a partir dos resultados apresentados, podem repensar seus sistemas de atividade, métodos de ensino-aprendizagem, e a partir disso, criar e/ou planejar novos sistemas e práticas.

Palavras-chave


Learning; Generation Y; University

Texto completo:

PDF

Referências


Antonello, C. S. (2006). Aprendizagem na ação revisitada e sua relação com a noção de competência. Comportamento Organizacional e Gestão, 12(2), 199-220.

Argyris, C. D.; Schon, D. A. (1996). Organizational learning II: theory, method, and practice. Reading, MA: Addison Wesley.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bateson, G. (1972). Steps to an ecology of mind. New York: Ballentine.

Candy, P. C. (1991). Understanding the individual nature of learning. In: Candy, P. C. Self direction for lifelong learning: a comprehensive guide to theory and practice. San Francisco: Jossey-Bass.

Claro, J. A. C. D; Torres, M.O. F; Nascimento, J. B.; Tinoco, J. E. P. (2010). Estilo de vida do jovem da Geração Y e suas perspectivas de carreira, renda e consumo. In: Anais do XIII Semead – Seminários em Administração da USP.

Cerbasi, G.; Barbosa, C. (2009). Mais tempo mais dinheiro: estratégias para uma vida mais equilibrada. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil.

Costa, S. R. F., Carvalho Neto, A., & Bazzoli, L. R. (2014). Executivos da Geração Y: Sucessos e Fracassos na Retenção de Trainees. GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 12(1), 80-92.

Cruz, C. A.; Godoi, C. K.; Silva, A. B. S. & Ramos, F. (2011). O Programa de Trainees como Representação de uma Aprendizagem Situada: o caso da WEG Indústrias. In: Anais dos Encontros de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho-ENGPR. João Pessoa, PB.

Del Prette, A; Del Prette, Z. (2001). Psicologia das relações interpessoais: vivências para o trabalho em grupo. Petrópolis: Vozes.

Daniels, H. (2002). Uma introdução a Vygotsky. São Paulo: Loyola.

Dewey, J. (1996). Democracy and education. Toronto: Collier-Macmillan.

Engeström, Y. (1999). Activity theory and individual and social transformation. In: Engeström, Y.; Miettinen, R.; Punamaki, R.L. (eds.), Perspectives on activity theory. New York, NY: Cambridge University Press.

Engeström, Y. (2001). Expansive learning at work: toward an activity theoretical reconceptualization. Journal of Education and Work, 14(1), 133-156.

Falaster, C., Ferreira, M. P., & Reis, C. (2015). Atributos que Atraem a Geração Y na Escolha do Emprego Ideal: uma Análise a Partir da Perspectiva de Estudantes Veteranos . Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 13(3), 7-31.

Gil, A. C. (2000). Técnica de pesquisa em economia e elaboração de monografia. 3. ed. São Paulo: Atlas S.A.

Jarvis, P. (1987). Meaningful and meaningless experience: toward an analysis of learning from life. Adult Education Quarterly, 37 (3), 164-172.

Lipkin, N. (2010). A Geração Y no trabalho: com lidar com a força de trabalho que influenciará definitivamente a cultura da sua empresa. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lombardia, P. G.; Stein, G.; Pin, J.R. (2008). Políticas para dirigir a los nuevos profesionales: motivaciones y valores de la generacion Y. Documento de investigación. Mayo.

McDowell, L. (2010). Generational preferences for knowledge transfer. Knowledge Work, p. 83-96. New Jersey: Rutgers University. Disponível em: Acesso em: abril 2016.

Medeiros, C. R. O., Medeiros, L., & Valadão Júnior, V. M. (2014). Âncoras de Carreira e Geração Y: um estudo com consultores de empresas juniores. Revista de Carreiras e Pessoas, 4(3), 212-230.

Oliveira, Sidnei. (2010). Geração Y: o nascimento de uma nova versão de líderes. São Paulo: Integrare.

Oliveira, S. R., Piccinini, V. C., & Bitencourt, B. M. (2012). Idéias em debate: "Juventudes, gerações e trabalho: é possível falar em Geração Y no Brasil?". Organizações & Sociedade, 19(62), 551-558.

Perrone, C. M., Engelman, S., Santos, A. S., & Sobrosa, G. M. R. (2013). A percepção das organizações pela Geração Y. Revista de Administração da UFSM, 6(3), 546-560.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Roncon, A., Brancher, I. B., Campos, W. C., Cangussu, E. T., & Mazzafera, B. L. (2012). Níveis de resiliência em adultos da Geração y de uma instituição de ensino superior. Revista de Carreiras e Pessoas, 2(3), 68-82.

Santos, L. L. S., & Silveira, R. A. (2015). Por uma epistemologia das práticas organizacionais: a contribuição de Theodore Schatzki. Organizações & Sociedade, 22(72), 79-98.

Schon, D. A. (1983). The reflective practitioner: how professionals think in action. London: Basic Books.

Silva, A. de S. (2009). Qual o papel do cliente, quando da contratação do serviço de consultoria, para a Geração do seu próprio aprendizado? In: Anais do XXXIII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. São Paulo, SP.

Strauss, W. (1991). Generations: the history of America’s future, 1584 to 2069. New York: Morrow.

Tapscott, D. (2011). Macrowikinomics: reiniciando os negócios e o mundo. Rio de Janeiro: Elsevier.

Teles, M. L. S. (2001). Psicodinâmica do desenvolvimento humano: uma introdução a psicologia da educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Tulgan, B. (2009). Not everyone gets a trophy: how to manage generation Y. São Francisco: Jossey-Bass.

Vasconcelos, K. A., Merhi, D. Q., Goulart, V. M., & Silva, A. R. L. (2010). A Geração Y e suas âncoras de carreira. GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 8(2), 226-244.

Veloso, E. F. R.; Dutra, J. S.; & Nakata, L. E. (2008). Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações Y, X e baby boomers. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. 32, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2008. CD-ROM.

Vigotski, L. S. (1978). Mind in society: the development of higher psychological processes. Cambridge, MA: Harvard University Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v6n1p19-29

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.