A rentabilidade dos eventos de negócios para os hotéis da cidade de São Paulo: um estudo de caso do Hotel SB SP

Julia Caroline Soares Caetano, Aline Correia de Sousa Colantuono

Resumo


O mercado hoteleiro da cidade de São Paulo se encontra em um momento competitivo e as grandes redes hoteleiras buscam alternativas para captar e fidelizar clientes. Elas identificam no turista de negócios e eventos um grande potencial de compra, pois esse turista tem uma maior demanda por diversos serviços e produtos hoteleiros que geram maiores receitas, mais contratações de mão de obra, além de aumentar o gasto médio. Os eventos corporativos são os mais atendidos pelos hotéis paulistanos devido à localização e a praticidade, visto que os empresários encontram os serviços de alimentos e bebidas e todos os outros itens necessários para a realização de seus eventos em um único lugar. Diante desse cenário, os hotéis buscam investir em novas tecnologias para atrair novos clientes e planejar ações de melhorias como a expansão de suas áreas comuns. Fato esse que, é fortemente presente no hotel SB SP.


Palavras-chave


Corporative Events; Profitability; Hotelier Sector; São Paulo

Texto completo:

PDF

Referências


ABAV - Associação Brasileira de Agências de Viagens. (2013). OTAs provocam mudanças de perfil no consumo do Turismo. Disponível em Acesso em: 05 maio. 2014.

Andrade, J.V. (2002). Turismo fundamentos e dimensões. São Paulo: Ática, p.18; 73; 74.

Andrade, M.M. (1999). Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Barros, A. J. da S., Lehfeld, N. A. de S. (2000). Fundamentos de metodologia científica: um guia para a iniciação científica. 2. ed.amp. São Paulo: Makron Books.

Bastos, Lilia da Rocha. (1995). Manual para elaboração de projetos e relatórios de pesquisa. Rio de Janeiro: Guanabara.

Beni, Mário Carlos. (2003). Globalização do turismo: megatendências do setor e a realidade brasileira. São Paulo: Aleph, p. 51; 52.

BRASIL, Ministério do Turismo. (2008). Pesquisa do impacto econômico dos eventos internacionais realizados no Brasil 2007/2008. Fundação Getúlio Vargas. 2008. Disponível em Acesso em 30 out. 2013.

BRASIL, Ministério do Turismo (2014). Sistema Brasileiro de Classificação de Hospedagem. Lista de estabelecimentos classificados. Disponível em . Acesso em: 05 maio. 2014.

BRASIL. Ministério do Turismo (2010). Segmentação do turismo e o mercado. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação. – Brasília: Ministério do Turismo, 2010. Disponível em Acesso em: 17 abr. 2014

BRASIL, Ministério do Turismo. (2006). Segmentação do Turismo: Marcos Conceituais. Brasília: Ministério do Turismo. – 2 capítulo, p. 45.

BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo de negócios e eventos: Marcos conceituais. Disponível em:. Acesso em: 17 abr.2014

BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo de negócios e eventos: orientações básicas. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação-Geral de Segmentação. – 2. ed. – Brasília: Ministério do Turismo, 2010. Disponível em . Acesso em: 17 abr. 2014.

BRASILTURIS. (2013). Meios de hospedagem independentes querem ganhar com novas estratégias. Disponível em Acesso em: 20 abr.2014

Britto, J., & Fontes, N. D. (1997). Turismo e Eventos: instrumento de Promoção e Estratégia de Marketing. Turismo em Análise. São Paulo: Capa, v.8,ed. 1.

Britto, Janaina, & Fontes, Nena. (2002). Estratégias para eventos: uma ótica do marketing e do turismo. São Paulo: ALEPH, p. 14.

Cirilo, L., et al. (2006). Administração hoteleira: desafios e tendências para o século XXI. São Paulo: DVS, p. 144.

Costa, M. E. B. (2006). Grupo focal. In: Duarte, J, & Barros, D. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas.

Dencker, A. F. M. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. 1. ed. São Paulo: Futura.

Eco, H. (1997). Como se faz uma tese. Rio de Janeiro: Perspectiva.

Fidel, R. (1992). The case study method: a case study, In: Glazier, J. D., & Powell, R. R. Qualitative research in information management. Englewood, CO: Libraries Unlimited, p.37-50.

Giacaglia, M. C. (2003). Organização de Eventos – Teoria e Prática. São Paulo: Pioneira Thomson Laraning.

IBGE. (2014). Banco de dados agregados. Disponível em Acesso em: 25 mar.2014

Ignarra, Luiz Renato. (1999). Fundamentos do turismo. São Paulo: Pioneira, p. 25

INTERNATIONAL HOTELS GROUPS. Disponível em Acesso em: 15 maio.2014.

Hoyle, L. Jr. (2003). Marketing de eventos: como promover com sucesso eventos, festivais, convenções e exposições. São Paulo: Atlas.

Kotler, P., & Keller, K. (2006) Administração de Marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 14. ed. São Paulo: Person Education.

Lage, B. et al. (2013). Observatório do turismo da cidade de São Paulo. Boletim semestral 2013/01. São Paulo. Disponível em: . Acesso em 03 nov. 2013.

Lakatos, E.M., & Marconi, M. de A. (2000). Metodologia científica. 3. ed. rev. aum. São Paulo: Atlas.

Mantovani, F. (2013, mar.). Após 6 meses, nova classificação por estrelas tem só 33 hotéis cadastrados. G1. São Paulo, 26 mar. Disponível em: . Acesso em: 17 maio. 2014.

Martin, V. (2003). Manual prático de eventos. São Paulo: Altas.

Martins, G. de A. (1994). Manual para elaboração de monografias. Tese (Dissertação em Educação) - Departamento de Educação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. São Paulo: Atlas.

Matias, M. (2011). Planejamento, organização e sustentabilidade em eventos. São Paulo: Manole.

Ruiz, J. A. (2002). Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Revista Hotéis. (2012). Hotelaria aposta em eventos para aumentar rentabilidade. São Paulo, ed. 109. Disponível em: Acesso em: 17 maio. 2014.

SÃO PAULO. Observatório do turismo da cidade de São Paulo. (2013). Anuário estatístico turismo 2013. São Paulo. Disponível em: Acesso em 03 nov. 2013.

SÃO PAULO TURISMO. (2014). Guia Fique mais um dia. Disponível em Acesso em: 17 maio. 2014.

Staybridge Suite Hotels. Intercontinental Hotels Groups. Disponível em http://www.ihgplc.com/index.asp?pageid=411> Acesso em: 17 maio. 2014.

Vasconcellos, A S., & Garcia, M E. (2003). Fundamentos de economia. São Paulo: Saraiva.

VISITE SÃO PAULO. Dados da cidade.2014. Disponível em Acesso em: 05 abr.2014.

Zilig, J., & Kranz, M. Steinberg, F. (2014). Olhos abertos para o lucro. Hotel Pro. São Paulo. Disponível em< http://www.hotelpro.com.br/reportagens/olhos-abertos-para-o-lucro> Acesso em: 05 maio. 2014.

Zilig, J., & Kranz, M. Steinberg, F. (2013) - Glossário de termos e expressões usados na hotelaria da Google. Disponível em: Acesso em 19 out. 2013.

Zilig, J., & Kranz, M. Steinberg, F. (2010). Organização de eventos: procedimentos e técnicas. São Paulo: Manole.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v5n3p302-318

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.