Conceito Passivhaus aplicado ao clima brasileiro

Renata Dalbem, Julye Moura Ramalho de Freitas, Eduardo Grala da Cunha

Resumo


Devido ao aumento excessivo do consumo de energia elétrica, onde os edifícios são responsáveis por 48,5% do consumo no Brasil, tem-se valorizado alternativas mais eficientes na concepção e execução dos projetos arquitetônicos. Passivhaus é uma certificação criada na Alemanha, cujo principal objetivo é reduzir o consumo de energia primária das edificações, sendo o limite 120kWh/m².ano. Edificações no padrão Passivhaus devem seguir cinco princípios de projeto: elevado isolamento térmico do envelope, minimização das pontes térmicas, estanqueidade do ar, esquadrias de elevada qualidade e sistema de ventilação mecânica com recuperação de calor (período frio) e ventilador entálpico (período de verão).

O artigo trata da apresentação de um projeto desenvolvido de uma edificação residencial que atende aos padrões da Passivhaus, propondo alternativas compositivas e tecnológicas observando a definição de equipamentos e sistemas para a implantação no contexto do sul do Brasil, observando também o seu desempenho termoenergético. O balanço energético da edificação é calculado ulitlizando a ferramenta PHPP (Passive House Planning Package), desenvolvida pelo Passivhaus Institut na Alemanha, que verifica o atendimento do nível de consumo de energia primária, como também outros indicadores, como consumo de aquecimento e horas de superaquecimento. Como resultado destaca-se o atendimento do projeto aos requisitos pré-estabelecidos pelo Regulamento Alemão.

Palavras-chave


Passivhaus, energia elétrica, sustentabilidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18256/2318-1109/arqimed.v4n1p26-36

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2318-1109

Licença Creative Commons
Este obra da Revista de Arquitetura Imed está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 Indexadores

Diadorim.jpg   
  miar.png
logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png