Noções de Urbano: uma construção da memória (e da cidade) de Itaboraí – RJ

Pâmella Victória Oliveira Souza, Jéssica de Almeida Polito

Resumo


Ao observar que as obras humanas inscrevem e imprimem no território característica únicas, propõe-se compreender a cidade de Itaboraí enquanto fragmento da paisagem cultural do Rio de Janeiro. A formação dessa cidade, de origem colonial, ocorreu pela instalação de uma grande praça, mais conhecida como largo da Matriz. Hoje, ao redor deste largo denominado “Praça Marechal Floriano Peixoto”, encontra-se um rico conjunto arquitetônico e patrimonial que consolida o Centro Histórico. Tal qual o trabalho do arqueólogo, pode-se desvendar nesta centralidade camadas e sobreposições históricas capazes de resgatar o processo de desenvolvimento da cidade, da memória urbana e dos valores simbólicos atribuídos pelos seus habitantes ao longo do tempo. Desta maneira, a pesquisa procura recuperar a importância da educação patrimonial e urbanística para o contínuo desenvolvimento dessa cidade enquanto sítio histórico e paisagem cultural.

Palavras-chave


Memória Urbana; Paisagem Cultural; Processo de Urbanização; Identidade; Noção de Urbano

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18256/2318-1109.2019.v8i2.3534

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2318-1109

Licença Creative Commons
Este obra da Revista de Arquitetura Imed está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 Indexadores

Diadorim.jpg   
  miar.png
logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png