Um olhar acerca da gênese e insurgências equivocadas em uma habitação modernista

Frederico Augusto Luna Tavares

Resumo


A cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, vem passando por um acentuado desmonte de seu patrimônio cultural construído. Parte deste acervo jaz em dois antigos bairros centrais: Tirol e Petrópolis, onde ainda resistem exemplares da arquitetura modernista residencial que datam das décadas de 1950 e 1970 passíveis de reconhecimento, onde diversos edifícios foram projetados por profissionais que não detinham o diploma acadêmico. Para este artigo, elencou-se a habitação da família Garcia, na “Praça das Flores”, em Petrópolis, projeto do desenhista prático norte-riograndense Aguinaldo Muniz. Devido à necessidade mercadológica, o imóvel passa por sistemáticas modificações, cujos resultados visuais e funcionais apagam as propostas modernistas atinentes ao projeto original. Propõe-se, assim, apresentar uma breve história da habitação e expor uma experiência dialógica na habitação enquanto um de seus reusos, por meio das fontes primárias e a prática do (re)conhecimento no lócus construído.


Palavras-chave


Fotografia e arquitetura; Petrópolis; História da cidade; Projetista prático; Natal-RN

Texto completo:

PDF HTML


DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2318-1109/arqimed.v6n1p85-105

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2318-1109

Licença Creative Commons
Este obra da Revista de Arquitetura Imed está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 Indexadores

Diadorim.jpg   
  miar.png
logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png