Refacção em segmentação de palavras na escrita infantil

Carmen Regina Gonçalves Ferreira

Resumo


Neste trabalho serão apresentados os dados de escrita espontânea referentes aos episódios de refacções que correspondem aos momentos nos quais a criança interrompe a escrita para reelaborar o que escreveu. Considera-se que tais dados podem fornecer elementos que auxiliem na compreensão do processo de conceituação de palavra formulado pela criança durante a aquisição da escrita. Deste modo, objetivou-se descrever os possíveis fatores que influenciaram os movimentos de refacções ligados à segmentação de palavras verificando, em especial, movimentos de apagamentos de traçado inicial de letras, sílabas ou palavras, durante a produção da escrita infantil. A organização do mapeamento das refacções foi realizada após a leitura cuidadosa de todos os textos dos sujeitos, bem como a análise das filmagens realizadas durante a escrita das produções textuais. Posteriormente, separou-se cada caso de refacção por coleta de produção textual e por sujeito. Esses dados foram organizados conforme dois momentos: o registro da escrita inicial, expressos nas estruturas linguísticas apagadas e o registro da escrita final que corresponde à reescrita após o apagamento do registro inicial. Ao analisar os dados dos sujeitos à luz da teoria dos constituintes prosódicos (NESPOR; VOGEL, 1986), considerou-se que os movimentos de refacção ocorreram motivados, ora partindo de aspectos fonológicos, ora semânticos, e, por vezes, pôde-se observar o efeito concomitante de informações que são fruto da sua inserção em práticas letradas (ABAURRE, 1991; CHACON, 2007; CAPRISTANO, 2007; CUNHA, 2004).


Palavras-chave


aquisição da escrita; segmentação vocabular; refacções

Texto completo:

PDF

Referências


ABAURRE, M. B. M.; FIAD, R.; M. L. Mayrink-Sabinson. Cenas de Aquisição da Escrita: o trabalho do sujeito com o texto. Campinas: Mercado de Letras. 1997.

ABAURRE, Maria Bernadete. Acento frasal e processos fonológicos segmentais. Letras de hoje. Porto Alegre: PUC-RS, v. 104, p. 41-50, 1994.

ABAURRE, Maria Bernadete M.; CAGLIARI, L.C. Textos espontâneos na 1ª série: evidências da utilização, pela criança, de sua percepção fonética da fala para representar e segmentar a escrita. Cadernos CEDES, 14, Recuperando a alegria de ler e escrever. São Paulo: Cortez Editora. (pp. 25-29). 1985.

ABAURRE, Maria Bernadete. O que revelam os textos espontâneos sobre a representação que faz a criança do objeto escrito? Anais do GEL, 1997.

BOGDAN, Roberto; BIKLEN, Sari. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Cedez, 1994.

CAPRISTANO, C.C.; MACHADO, Souza T. H. Rasuras em segmentação e a construção do conceito de palavra. V CONALI - Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares 05, 2013.

CAPRISTANO, C.C.; CHACON, L. Relações metafóricas e metonímicas: notas sobre a “aquisição” da noção de palavra. In: TFOUNI, L. V.; TONETO, D. J. (Org.). O (In)esperado de Jakobson. Campinas: Mercado de Letras, 2014 (prelo).

CAPRISTANO, C.C. Mudanças na trajetória da criança em direção à palavra escrita. 2007. 245p. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

CAPRISTANO, C.C. Por uma concepção heterogênea da escrita que se produz e que se ensina na escola. Cadernos de Educação. Ano 19 n. 35, Ed. UFPel - Pelotas, RS - Janeiro-Abril, 2010.

CAPRISTANO, C.C. Rastros de uma escrita em construção, 2014, (prelo).

CAPRISTANO, C.C. Um entre outros: a emergência da rasura n o processo de aquisição da escrita. Revista Linguagem em (Dis)curso, v. 13, n. 3, p. 667-694, 2013.

CHACON, L. Constituintes prosódicos e letramento em segmentações não-convencionais. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 39, n. 3, 2004, p. 223-232.

CORRÊA, Jane, SPINILLO, Alina, LEITÃO, Selma. Desenvolvimento da linguagem: escrita e textualidade. Rio de Janeiro: Editora FAPERJ, 2001.

CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CUNHA, A. P. N. As segmentações não convencionais na escrita inicial: uma discussão sobre o ritmo linguístico do português brasileiro e europeu. Pelotas, 2010. 190p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas.

FERREIRO, Emília. Com todas as letras. São Paulo: Cortez, 1991.

FERREIRO, Emília; PONTECORVO, Clotilde. Os limites entre as palavras. A segmentação em palavras gráficas. In: FERREIRO, Emília; PONTECORVO, Clotilde; MOREIRA, Nadja Ribeiro; HIDALGO, Isabel García. Chapeuzinho Vermelho aprende a escrever. São Paulo: Ática, p. 38-66, 1996.

MACHADO, Tatiane H. S. M. Rasuras ligadas à segmentação de palavras na escrita infantil, 2014. 118p. (Dissertação de Mestrado) – Mestrado em Letras. Universidade Estadual de Maringá, Maringá. 2014.

MAYRINK-SABINSON, M. L. T. (Re)escrevendo: momentos iniciais. In: ABAURRE et al. Cenas de aquisição da escrita: o trabalho do sujeito com o texto. Campinas: Mercado de Letras, 1997. p. 53-59.

NESPOR, Marina; VOGEL, Irene. La Prosodia. Madrid: Visor Distribuciones, S.A., 1986.

SERRA, M. P.; TENANI, L. E.; CHACON, L. Reelaboração da segmentação: um olhar para a escrita infantil. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. XXXV, p. 1247-1254, 2006.




DOI: https://doi.org/10.18256/2447-3944.2018.v4i4.2588

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN: 2447-3944

 Licença Creative Commons
A Revista Brasileira de Ensino Superior está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores

DOAJ.jpg latindex.jpg  
  REDIB  Diadorim.jpg
     
logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

  
 
 


  logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png