TIC: uma investigação através dos documentos oficiais na Formação de Professores de Química

Jussany Maria de Barros Moreira, Dulcinéia Estér Pagani Gianotto, Carlos Alberto de Oliveira Magalhães Júnior

Resumo


Neste artigo propusemos fazer uma breve reflexão sobre as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na educação, discutindo suas possibilidades, importância e necessidade na Sociedade da Informação (SI). Por meio da análise documental buscamos investigar na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB, 1996), nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN, 2002), nas Diretrizes Curriculares Nacionais de Química (DCNQ, 2002) e Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN, 2015), como as TIC passaram a fazer parte do currículo de formação de professores de química. Para tanto, realizamos a Análise Textual Discursiva (ATD), que se caracteriza como uma pesquisa qualitativa, baseando-se na interpretação de textos referente aos documentos oficiais analisados. Por meio da ATD identificamos como categorias de análise os Recursos; o Desenvolvimento Científico e Tecnológico; e Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS). Observamos que na primeira categoria a utilização das TIC aparece como uma metodologia diferente, uma estratégia, um recurso pedagógico de apoio didático. Na segunda categoria as TIC passam a ser citadas não apenas como um recurso didático, mas para ajudar na compreensão dos avanços científicos e tecnológicos que emana das rápidas mudanças tecnológicas e repercute no desenvolvimento da aprendizagem. Por último, utilização das TIC aproxima-se de uma proposta CTS. Consideramos que as TIC são recomendadas nos documentos oficiais para serem utilizadas na formação de professores de Química. Contudo, defendemos a ideia que elas precisam ser incorporadas na prática diária dos professores.

Palavras-chave


Formação de Professores;Tecnologias de Informação e Comunicação; Mediação; Processo de Ensino e Aprendizagem.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALARCÃO, I. O papel do supervisor no desenvolvimento do professor reflexivo. In: ALARCÃO, I. (Org). Formação reflexiva estratégias de Supervisão. Porto: Porto, 1996.

AULER, D. Enfoque ciência-tecnologia sociedade: pressupostos para o contexto brasileiro. Ciência & Ensino, vol. 1, n. especial, p. 120 nov/2007.

AULER, D.; BAZZO, W.A. Reflexões para a Implementação do Movimento CTS no Contexto Educacional Brasileiro. Revista Ciência e Educação, vol. 7, n. 1, 2001, p. 1-13.

BAZZO, W. A.; VON LINSINGEN, I.; PEREIRA, L.T.V. Introdução aos estudos CTS(Ciência, Tecnologia e Sociedade). Madrid: OEI, 2003.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9.394, de 20/12/1996.

BRASIL. Resolução CNE/CP no 1, de 18 de fevereiro de 2002a. Diretrizes curriculares Nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Ministério de Educação e do Desporto. Brasília, DF, 2002a.

BRASIL. Resolução CNE/CP no 2, de 19 de fevereiro de 2002b.Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Ministério da Educação e do Desporto. Brasília, DF, 2002b.

BRASIL. Resolução CNE/CES 8, de 11 de março de 2002c. Estabelece as Diretrizes Curriculares para cursos de Bacharelado e Licenciatura em Química. Ministério da Educação e do Desporto. Brasília, DF, 2002c.

BRASIL. Resolução no 2, de 1o de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial de nível superior e para a formação continuada. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Brasília, DF, 2015.

BRITO, G. S.; PURIFICAÇÃO, I. Educação e novas tecnologias um re-pensar. 2. ed. Curitiba: Ibpex, 2008.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

COLL, C; MONEREO, C. Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

IMBERNÒN, F. La Formación y el desarrollo profesional del profesorado: Hacia una nueva cultura profesional. Barcelona: Graó, 1994.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Ed. 8a. – Campinas, SP: Papirus, 2012.

KRASILCHIK. M. Reformas e Realidade: o caso do ensino de ciências. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n.1, p. 85-93, 2000.

LEITE, B. S. Tecnologias no Ensino de Química: teoria e prática na formação docente. Curitiba: Appris, 2015.

MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de química: professor ∕ pesquisador. 2 ed. rev. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M.C. Análise Textual Discursiva. 2 ed. rev. Ijúi: Unijúi, 2011.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. das G. C. Docência no Ensino Superior. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SANTOS, W. L. P. dos; SCHNETZLER, R. P. Educação em Química: compromisso com a cidadania. 2 ed. Ijuí. Unijuí. 2000.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio: pesquisa em educação em ciências, v. 2, n. 2, p. 133-162, 2002.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Artmed, 2000.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.




DOI: https://doi.org/10.18256/2447-3944.2018.v4i1.2341

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN: 2447-3944

 Licença Creative Commons
A Revista Brasileira de Ensino Superior está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores

DOAJ.jpg logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png  
  REDIB  Diadorim.jpg
     
logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png