Adequações contemporâneas ao processo avaliativo tradicional no ensino superior: da tradição jesuítica à pluralidade metodológica

Tiago Luis Brugnera

Resumo


A avaliação, não apenas uma etapa do processo de aprendizagem, mas um processo complexo por si, consolida toda a atividade pedagógica do professor e da instituição de ensino. Muitos professores ainda mantêm como maneira avaliativa a avaliação tradicional em que a nota é relevante em posição do processo de aprendizagem. Neste trabalho se discutiu questões voltadas aos métodos de avaliação existentes e praticadas comumente dentro de uma sala de aula em substituição à tradicional prova escrita.  Buscou-se ampliar os conhecimentos acerca do assunto por meio da metodologia de pesquisa qualitativa tipo exploratória e descritiva. Elencou-se e arguiu-se sobre diferentes metodologias alternativas, como avaliações via relatórios, portfólios, avaliações orais, por observação, por auto avaliação e técnicas artísticas. Concluiu-se que existem alternativas para se avaliar um aluno, a depender dos objetivos que o professor busca alcançar com a avaliação e com a disciplina.

Palavras-chave


Avaliação; Aprendizagem; Ensino superior

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALVES, L. Portfólios como instrumentos de avaliação dos processos de ensinagem. In: ANASTASIOU, L.; ALVES, L. Processos de ensinagem na Universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 6. ed. Joinville: Univille, 2006. p. 101- 120.

BAGGI, C. A. S.; LOPES, D. A. L. Evasão e avaliação institucional no ensino superior: uma discussão bibliográfica. Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 16, n. 2, p. 355-374. 2011.

BIRENBAUM, M.; FELDMAN, R. Relationships between learning patterns and attitudes towards two assessment formats. Educational Research, v. 40, n. 1, p. 9-97, 1998.

BRASIL. Texto da Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996, atualizado até a Lei 12.061, de 27 de outubro de 2009. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Sinopse Estatística da Educação Superior 2013. Brasília: Inep, 2014. Acesso em: 25 jun. 2016.

BOTH, I. J. Ensinar e avaliar são de domínio público: resta saber se ensinar avaliando e avaliar ensinando também o são. Revista HISTEDBR, n. 18, p. 54-64, 2005.

CONDEMARÍN, M.; MEDINA, A. Avaliação autêntica: um meio para melhorar as competências em linguagem e comunicação. Trad. Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2005.

DIAS, E. C. M.; THEÓPHILO, C. R.; LOPES, M. A. S. Evasão no ensino superior: estudo dos fatores causadores da evasão no curso de Ciências Contábeis da Universidade de Montes Claros – UNIMONTES – MG. Anais do Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil. 2010.

FELTRIN, J. A avaliação da aprendizagem frente às tendências atuais de educação para o ensino superior. Criciúma – SC, 2008.

GHELLI, G. M. A construção do saber no ensino superior. 2010.

HAIDT, R. C. C. Curso de didática geral. São Paulo: Ática, 1994

HAIDT, R. C. C. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. São Paulo: Ática, 1999.

HOFFMANN, J. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2002.

LEVY, M. I. C. A questão da representação no ensino de ciências. In: Congresso Ibero-Americano de Formação de Professores. Santa Maria, RS. 2000. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2006.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. São Paulo: Cortez, 2001.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1995.

MENEGOLLA, M.; SANT’ANNA, I. M. Por que planejar? Como planejar? Currículo, área, aula. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Censo da Educação Superior 2013: resumo técnico. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2015.

PERRENOUD, P. Avaliação da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PEREIRA, D. R.; FLORES, M. A. Avaliação e feedback no ensino superior: um estudo na Universidade do Minho. Revista Iberoamericana de Educación Superior (RIES), v. 4, n. 10, pp. 40-54. 2013.

STRUYVEN, K.; DOCHY, F.; JANSSENS, S. Students’ perceptions about evaluation and assessment in higher education: a review. Assessment & Evaluation in Higher Education, v. 30, n. 4, p. 331–347, 2005.

TESCAROLO, R. A escola como sistema complexo: a ação, o poder e o sagrado. São Paulo: Escrituras, 2005.

VASCONCELLOS, C. S. Planejamento: projeto de ensino aprendizagem e político pedagógico. São Paulo: Libertad, 2002.

VAN WATERING, G.; GIJBELS, D.; DOCHY, F.; VAN DER RIJT, J. Students’ assessment preferences, perceptions of assessment and their relationships to study results. Higher Education, v. 56, n. 6, p. 645-658. 2008.




DOI: https://doi.org/10.18256/2447-3944.2017.v3i3.2006

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN: 2447-3944

 Licença Creative Commons
A Revista Brasileira de Ensino Superior está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores

DOAJ.jpg logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png  
  REDIB  Diadorim.jpg
     
logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png