Leitura e pesquisa como prática para aulas interativas no ensino superior: relato de experiência

Neide Pena Cária, Susana Gakyia Caliatto, Nelson Lambert de Andrade

Resumo


O artigo relata a experiência realizada em um curso de Ciências Contábeis a partir da necessidade de expandir as abordagens metodológicas para o desenvolvimento da leitura e iniciação à pesquisa dos estudantes. No âmbito da sala de aula, o professor tem papel fundamental no gerenciamento do processo educacional, pois é ele que concilia as necessidades dos alunos e os recursos disponíveis. O projeto teve como objetivo estimular e orientar os alunos na produção de conhecimentos por meio da leitura e pesquisa e, assim, fazê-los coparticipantes das aulas, por meio da técnica de aulas interativas, amparados na experiência realizada Sauaia e Hazoff Júnior (2009). Especificamente, utilizou-se a leitura e a pesquisa como estratégia metodológica dialética para tornar as aulas mais interativas e retirar os alunos da situação passiva em sala de aula. Parte-se da concepção de que as aulas expositivas mantêm uma comunicação unidirecional, com o professor dominando a comunicação, enquanto os alunos ficam na situação de passividade. Em uma proposta de aulas interativas, ou participantes, as estratégias de ensino preconizam uma comunicação multidirecional, baseada em atividades compartilhadas e com maiores possibilidades de relações interpessoais, que estimulam o envolvimento de todos os presentes em sala de aula. Os resultados da experiência demonstraram maior envolvimento dos alunos com o empréstimo de materiais na biblioteca e maior quantidade de escrita de artigos acadêmicos, com a criação de um Seminário Científico e publicação de livros, tendo a participação de alunos e professores. Os resultados corroboram as pesquisas desenvolvidas na área.

Palavras-chave


Aulas interativas; Ensino superior; Leitura; Participação; Pesquisa

Texto completo:

PDF

Referências


ANPED – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO. Histórico das Reuniões Científicas Nacionais da ANPED. [s.d.] Disponível em: < http://www.anped.org.br/reunioes-cientificas/nacionais >. Acesso em: 22 abr. 2014.

BALBACHEVSKY, E. A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem-sucedida. In: BROCK. C.; SCHWARTZMAN, S. Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil (de 10 de novembro de 1937). Constituição dos Estados Unidos do Brasil. Rio de Janeiro: 1937.

BRASIL. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: 1996.

BRASIL. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Brasília: 1961.

BRASIL. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Lei nº 5.962, de 11 de agosto de 1971. Brasília: 1971.

BRASIL. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Brasília: 1968.

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2009.

CFE – CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO. Fixa normas de funcionamento e credenciamento dos cursos de pós-graduação stricto sensu. Resolução nº 05, de 10 de março de 1983. Rio de Janeiro: Lafayette de Azevedo Pondé, 1983.

CAPES – COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. História e Missão. 2008. Disponível em: < http://www.capes.gov.br/historia-e-missao >. Acesso em: 25 abr. 2014.

CUNHA, M. I. O lugar da formação do professor universitário: a condição profissional em questão. In: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, v. 13, Recife, 2006. Anais... Recife: UFPE, 2006.

FÁVERO, M. L. A. A Universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitária de 1968. Educar, Curitiba, n. 28, p. 17-36, 2006.

FILHO, K. P. Michel Foucault: uma história da governamentalidade. Rio de Janeiro: Insular / Achiamé, 2006. p. 87.

FOUCAULT, M. Verdade e Poder. In: FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Tradução de Lígia M. Ponde Vassalo. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

GADELHA, S. Biopolítica, governamentalidade e educação: introdução e conexões, a partir de Michel Foucault. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. p. 240.

GIL, A C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 184.

NETO, L. F. Biopolíticas: as formulações de Foucault. Florianópolis: Cidade Futura, 2010. p. 208.

RAMOS DO Ó, J. O governo de si mesmo: modernidade, pedagogia e encenações disciplinares do aluno liceal. 2. ed. Lisboa: Educa e Autor, 2003. p. 765.




DOI: https://doi.org/10.18256/2447-3944/rebes.v2n2p63-73

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN: 2447-3944

 Licença Creative Commons
A Revista Brasileira de Ensino Superior está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores

DOAJ.jpg logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png  
  REDIB  Diadorim.jpg
     
logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png