De que Infâncias falamos e de que Pedagogia necessitamos?

Samantha Dias de Lima

Resumo


O presente artigo trata sobre a investigação realizada em um curso de Pedagogia no que diz respeito a questões da formação para futura docência na Educação Infantil (EI), uma vez que após a promulgação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Pedagogia (2006) os cursos passaram a habilitar um pedagogo multi, que tanto é docente na Educação Básica, como habilitado para as demais demandas educativas (gestão e atuação em ambientes não escolares). Em meio a toda essa complexidade a pesquisa investiga como se dá a formação inicial para o docente que irá trabalhar na EI e que conhecimentos a Pedagogia oferece para essa docência. A pesquisa contou com a participação de oito formandos do último semestre do curso analisado, que participaram através da metodologia de narrativas escritas, onde narram as aprendizagens construídas durante essa formação inicial sobre educação infantil considerando as múltiplas infâncias contemporâneas, conceito sustentado pelos Estudos da Infância/Sociologia da Infância, tendo autores como: James, Jenks e Prout (2007), Sarmento (1997,2003, 2004, 2005, 2007, 2009). A pesquisa apontou uma invisibilidade acerca do pensar as infâncias de forma previamente instituída no curso de Pedagogia e indica, como encaminhamentos, a necessidade de incorporar no currículo e nos demais documentos legais do curso, como no Projeto Político Pedagógico, questões relacionadas às múltiplas infâncias, para que haja os desdobramentos no cotidiano pedagógico do curso.


Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2003.

BRASIL. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394/1996. Brasília, 2013. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm >. Acesso em: 21 abr. 2013.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf >. Acesso em: 02 abr. 2013.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia como ciência da educação. São Paulo: Cortez, 2008.

JAMES, Allison; JENKS, Chris PROUT, Alan. Theorizing Childhood. Cambrigde: Polity, 2007.

JENKS, Chris. Constituindo a criança. In: Revista Educação, Sociedade e Culturas, n. 17, 2002. Disponível em: < http://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC17/17-arquivo.pdf >. Acesso em: 26 set. 2014.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e Pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 2002.

LIMA, Samantha Dias de. Formação inicial em Pedagogia: um outro olhar para as infâncias Tese (Doutorado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, 2015.

MARTINAZZO. Celso José. Pedagogia do entendimento intersubjetivo. Ijuí: Unijuí, 2005.

OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

PERREIRA, Fátima. Governo da infância e profissionalidade docente: narrativas em formação inicial de professores. Porto: Educação, Sociedade & Culturas, n. 29, 2009, p. 89-108.

QVORTRUP, Jens. Nove Teses sobre a “Infância como um Fenômeno Social”. Pro-Posições, v. 22, n. 1, p. 199-211, 2011.

REDIN, Euclides. O espaço e o tempo da criança: se der tempo a gente brinca. 3.ed. Porto Alegre: Mediação, 2000.

SANTOS, Boaventura de Souza. A encruzilhada da universidade europeia. Revista do SNESup: junho-agosto-setembro/2011. Disponível em: < http://ppgemeducacao.blogspot.com.br/ >. Acesso em: 01 dez. 2012.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As Culturas da Infância nas Encruzilhadas da Segunda Modernidade. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; CERISARA, Ana Beatriz. Crianças e Miúdos: Perspectivas Sociopedagógicas da Infância e Educação. Porto, Portugal: Asa Editores, 2004. p. 01-22.

SARMENTO, Manuel Jacinto e PINTO, Manuel. As crianças: contextos e identidades. Braga, Portugal, Coleção Infans, Centro de Estudos da Criança, Universidade do Minho, 1997.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e alteridade: Interrogações a partir da Sociologia da Infância. In: Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, maio/ago., p. 361-378, 2005.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Quotidianos densos – a pesquisa sociológica dos contextos de acção educativa. In: GARCIA, Regina Leite (Org.). Método, métodos, contramétodos. São Paulo: Cortez, 2003. p.111-123.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da Infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; GOUVEA, Maria Cristina Soares (Org.). Estudos da Infância: Educação e Práticas Sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p. 17-39.

VASCONCELLOS, Vera M. Ramos de; SARMENTO, Manuel Jacinto. Infância (in) visível. Araraquara: Junqueira e Marin. 2007.

SAVIANI, Demerval. A Pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas: Autores Associados, 2012.

WITTIZORECKI, Elisandro Schultz. Pesquisar exige interrogar-se: a narrativa como estratégia de pesquisa e de formação do(a) pesquisador(a). Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 09-33, mai./ago. 2006.

ZABALZA, Miguel Antonio: Diseño y desarrollo curricular. Madrid, Narcea S.A. de Ediciones. Edición, 1997. Disponível em: < http://www.um.edu.ar/catedras/claroline/backends/download.php?url=L0NpY2xvXzIwMTMvMi5fUHJpbmNpcGlvc19kZV9kaXNl8W9fQ3VycmljdWxhci5wZGY%3D&cidReset=true&cidReq=FP006 >. Acesso em 14 out. 2015.




DOI: https://doi.org/10.18256/2447-3944/rebes.v1n2p15-24

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN: 2447-3944

 Licença Creative Commons
A Revista Brasileira de Ensino Superior está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores

DOAJ.jpg logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png  
  REDIB  Diadorim.jpg
     
logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png