Influência de tensoativo na liberação de própolis de cimentos ionoméricos modificados em diferentes períodos de tempo.

Samara Tonholo Medeiros, Stéfane Edne Souza, Vinícius de Magalhães Barros, Ricardo Rodrigues Vaz, Wagner Rodrigues dos Santos, Walison Arthuso Vasconcellos

Resumo


Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar in vitro a influência de um tensoativo na liberação de própolis de um cimento ionomérico modificado, em diferentes períodos de tempo. Métodos:  Vinte corpos-de-prova foram confeccionados e divididos em dois grupos, sendo que no grupo A foi utilizado o pó modificado e o líquido do ionômero e no grupo B além do pó modificado e o líquido foi adicionado um tensoativo (álcool 50%). A liberação foi mensurada nos tempos de 1h, 2h,4h, 24h, 7 dias, 15 dias e 30 dias através de um espectrofotômetro. As mensurações foram realizadas no comprimento de 300nm, e os resultados submetidos à análise de variância (p=0,05). Resultados: Os resultados apontaram que a liberação foi significativamente maior nos tempos de 24 horas (média de 166,6µg para o grupo A e 118,9µg para grupo B) e 7 dias (Grupo A:134,4µg; Grupo B:168µg), quando comparado aos demais períodos estudados.  Conclusão:  A própolis incorporada ao cimento ionomérico modificado foi liberada, sendo sua liberação influenciada pelo período de liberação, e não havendo diferença significante em função do uso ou não de tensoativo.


Palavras-chave


Cimentos de Ionômeros de Vidro; Flúor; Própolis

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Ferreira HC, Campos SFF, Rego MA. Avaliação in vitro de propriedades físico-químicas de cimentos de ionômero de vidro convencionais, após adição de própolis e antibióticos. Cienc Odontol Bras. 2006;9:38-46.

Sato T, Hoshino E, Uematsu H, Noda T. In vitro antimicrobial susceptibility to combinations of drugs of bacteria from carious and endodontic lesions of human deciduous teeth. Oral Microbial Immunol.1993;8:172-6.

Hori R, Kohno S, Hoshino E. Bactericidal eradication from carious lesions of prepared abutments by an antibacterial temporary cement. J Prosthet Dent. 1997;77:348-52.

Menezes, H. Própolis: Uma revisão dos recentes estudos de suas propriedades farmacológicas. Arq Inst Biol. 2005;72:405-11.

Monti M, Berti E, Carminati G, Cusini M. Occupational and cosmetic dermatitis from propolis. Contact Dermatitis. 1983;9(2):163.

Havsteen BH. The biochemistry and medical significance of the flavonoids. Pharmacology and Therapeutics. 2002;96:67-202.

Parolia A, Kundabala M, Rao NN, Acharya SR, Agrawal P, Mohan M, et al. A comparative histological analysis of human pulp following direct pulp capping with Propolis, mineral trioxide aggregate and Dycal. Aust Dent J. 2010;55:59-64.

Keno K, Ikeno T, Miyazawa C. Effects of propolis on dental caries in rats. Caries Res. 1991;25:347-51.

Spezzia S. Cimento de ionômero de vidro: revisão de literatura. Journal of Oral Investigations. 2017;6:74-88.

Wilson AD, Kent BE. The glass-ionomer cement: a new translucent dental filling material. I Appl Chem Biotechnoz. 1971;21:313-8.

Wilson AD, Kent BE. A new translucent cement for dentistry. The glass ionomer cement. Br Dent J. 1972;132:133-5.

Gao W, Smales RJ. Fluoride release/uptake of conventional and resin-modified glass ionomers, and compomers. J Dent. 2001;29: 30-6.

Bullard RH, Leinfelder KF, Russell C.M. Effect of coefficient of thermal expansion on microleakage. J Am Dent Assoc. 1998;116:871-4.

Giacomelli E, Mota EM, Oshima, HMS, Belle R, Hirakata LM. Development of glass ionomer cement modified with seashell powder as a scaffold material for bone formation. Rev Odonto Cienc. 2011;26:40-4.

Pinheiro SL, Simionato MRL, Oda M. Atividade antimicrobiana in vitro dos cimentos de ionômero de vidro associados a própolis ou a antibióticos. Rev Assoc Paul Cirur Dent. 2003;57:359-62.

Park YP, Akegabi, M, Abreu JAS, Alcici NMF. Estudo das preparações dos extratos de própolis e suas aplicações. Ciência e Tecnologia de Alimentos. 1998;18:313-8.

Park YP, Akegabi M, Abreu JAS, Cury JA, Rosalen PL. Antimicrobial activity of própolis on oral microorganisms. Current Microbiology.1998;36:24-9.

Adelmann J. Própolis: variabilidade composicional, correlação com a flora e bioatividade antimicrobiana/ antioxidante. 2005.183 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

Gomes RT, Teixeira KIR, Cortés ME, Santos VR. Antimicrobial activity of a própolis adhesive formulation on different oral pathogens. Braz J Oral Sci. 2007;6:1387-91.




DOI: https://doi.org/10.18256/2238-510X.2019.v8i2.3289

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Journal of Oral Investigations - JOI (ISSN 2238-510X)
Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br
Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Cruzeiro, 99070-220 – Passo Fundo - RS - Brasil 
Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Indexadores

 BVS_Odontologia.png DOAJ.jpg logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png 
 
latindex.jpg
 SHERPA-RoMEO-long-logo.gif
 
  Diadorim.jpg